Notícias

Menina Benigna: a radicalidade em viver a castidade

Participantes que vieram da região do Cariri para o Congresso de Jovens Shalom (CJS) partilham sobre Benigna Cardoso da Silva, futura beata cearense.

“O sangue que fecundou a terra”. É assim que o Pedro Ítalo, um jovem de 23 anos, do Cariri cearense, define o testemunho de vida de Benigna Cardoso da Silva, conhecida como a menina Benigna. Com o tradicional chapéu de palha na cabeça, o jovem fala com entusiasmo que Santana do Cariri, onde a beata nasceu e cresceu, se tornou um local de fé e religiosidade, onde as pessoas fazem peregrinação, em especial no mês de outubro, quando acontece a romaria em homenagem a Benigna.

Na região o clima é de alegria. Isso porque às vésperas da canonização da primeira santa brasileira, irmã Dulce, o papa autorizou o processo de beatificação da primeira beata cearense a partir do reconhecimento do seu martírio. O anúncio foi feito em audiência no vaticano com
o cardeal que é prefeito para a causa dos santos.

 Testemunho de radicalidade

Benigna tem uma história de martírio. Órfã de pai e mãe, a menina era a mais nova entre os irmãos. Magra, de olhos castanhos e pele morena, era uma adolescente comum. Frequentava a escola, fazia as tarefas domésticas e era fiel às missas na igreja matriz da cidade. Mas aos 13 anos foi assassinada numa tentativa de estupro por um vizinho dois anos mais velho. Ela quis defender a castidade. E por esse motivo foi esfaqueada e morta às 4 horas da tarde, quando foi pegar água na cacimba a poucos metros de sua casa, no Sítio Oiti, no distrito de Inhumas, onde morava com os pais adotivos.

O episódio aconteceu no dia 24 de outubro de 1941, mas é um testemunho de radicalidade para os tempos atuais. Para a estudante de psicologia, Andrine Séfora, “A castidade é perdida. Vivê-la é surreal para todo mundo”. Ela conta que na faculdade todo mundo acha estranho caminhar para o namoro, esperar o tempo de cada coisa, mas busca ser diferente para seguir a Cristo. “Não ser igual aos outros, viver a castidade na juventude é uma forma diferente de dar testemunho. É dizer que Cristo existe e eu quero me guardar porque eu quero seguir a ele. É ser radical”, complementa.

Heroína da castidade

Andrine sempre viu em Benigna um exemplo. Ela diz que conheceu a história da menina aos 11 anos, quando era coroinha, na paróquia do Sagrado Coração de Jesus, em Juazeiro do Norte. Lá, Benigna era considerada a “Padroeira dos Coroinhas”.

“Benigna nos mostra que é preciso amar a Deus a cima de tudo. Tantas vezes eu digo que amo, que quero ofertar minha vida, mas não sei se seria capaz de dar a vida por Jesus, derramar o meu sangue. Mas Benigna mostra que tanto é possível, como vale a pena. Eu vejo a figura dela como uma intercessora para a vivência da nossa castidade”, finaliza Pedro ítalo, postulante da Comunidade Aliança Shalom.

Como outros considerados santos populares brasileiros, Benigna tem milagres atribuídos a ela. Também chamada de “Heroína da castidade”, é inspiração para promessas e agradecimentos por graças alcançadas pela sua intercessão.

Aldeson Matos


Comentários

[fbcomments]

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *