Igreja

Papa: Charles de Foucauld, e outros seis novos santos para Igreja

Charles nasceu em Estrasburgo, França, em 1858, é uma figura muito querida pelo Papa Francisco. “A partir da intensa experiência de Deus, fez um caminho de transformação a ponto de se sentir irmão de todos”.

comshalom

O Papa Francisco presidiu, na manhã desta segunda-feira (03/05), o Consistório Ordinário Público para a votação das causas de canonização de sete beatos, duas mulheres e cinco homens. Dentre eles está Charles de Foucauld, sacerdote francês, “pobre entre os pobres” e “irmão universal”, como ele mesmo se definia, que no início do século passado plantou as sementes do Verbo divino no coração do Saara.

A data da canonização ainda deve ser definida

“A data da canonização dos beatos ainda não foi definida. O dia deve ser ainda decidido”, disse o Pontífice na fórmula em latim usada para os sete beatos cuja “vida cristã e santidade exemplar” foram lembradas pelo Pontífice. A situação atual da emergência de saúde devido ao coronavírus influenciou na decisão de marcar a canonização numa data posterior.

Semeraro: “Os novos santos, intercessores de graças e milagres”

“Estes beatos não só são admirados pelo povo de Deus pelo esplendor de suas virtudes, mas também são invocados como intercessores de graças e milagres”, disse o Prefeito da Congregação das Causas dos Santos, cardeal Marcello Semeraro, que depois da Hora Terça apresentou ao Pontífice e aos cardeais reunidos na Sala do Consistório “uma breve síntese da experiência humana e espiritual” dos sete beatos e beatas que “em várias épocas e com diferentes vocações, testemunharam, uns com o dom supremo da vida e outros com o exercício heroico da caridade e das virtudes, a fecundidade da Páscoa de Cristo, fonte de esperança”.

Charles de Foucauld

Antes de se tornar “irmão Carlos de Jesus”, o jovem Charles, nascido em Estrasburgo, tinha iniciado uma carreira militar, seguindo os passos de seu avô que o havia criado quando ficou órfão de seus pais aos 6 anos. O futuro beato deixou a fé de lado durante sua adolescência, mas durante uma perigosa exploração no Marrocos, em 1883-1884, despertou nele uma pergunta: “Deus existe?” “Meu Deus, se você existe, deixe-me conhecê-lo”, foi seu pedido, que já assumiu as características daquela oração incessante que marcou toda sua vida. Voltando à França, Foucauld partiu em busca e pediu a um sacerdote para instruí-lo. Depois foi em peregrinação à Terra Santa e lá, nos lugares da vida de Cristo, encontrou sua vocação: consagrar-se totalmente a Deus, imitando Jesus numa vida escondida e silenciosa.

Ordenado sacerdote aos 43 anos (1901), Charles de Foucauld foi para o deserto argelino do Saara, primeiro para Beni Abbès, pobre entre os mais pobres, depois mais ao sul para Tamanrasset com os Tuareg do Hoggar. Viveu uma vida de oração, meditando continuamente a Sagrada Escritura, no desejo incessante de ser para cada pessoa o “irmão universal”. Morreu aos 58 anos na noite de 1º de dezembro de 1916, assassinado por um bando de saqueadores de passagem. Bento XVI o beatificou em 2005.

Lázaro

Primeiro leigo indiano a se tornar beato, Lázaro, conhecido como Devasahayam, foi um pai de família e mártir. Filho de um brâmane no reino hindu de Travancore, pertencia à alta casta dos guerreiros. Converteu-se ao cristianismo quando adulto e recebeu o Batismo aos 33 anos. Esta conversão foi considerada uma traição e um perigo para a solidez do reino. Portanto, ele foi preso, humilhado e torturado por oficiais, que receberam ordens para matá-lo. A acusação? Abjuração do hinduísmo. Bento XVI o inscreveu na lista dos beatos em 2011.

Maria Francisca de Jesus

Anna Maria Rubatto, nascida no Piemonte, dedicou-se durante anos à assistência aos pobres em Turim, à visita aos doentes no Cottolengo e ao compromisso constante no Oratório de Dom Bosco. Fundou na cidade de Loano, perto de Savona, o Instituto das Irmãs Terciárias Capuchinhas e depois partiu para a América Latina, onde trabalhou arduamente para servir os pobres. Em 1892, levou suas irmãs para Montevidéu no Uruguai e de lá, após pouco tempo, para Argentina e Brasil. Por sete vezes, Madre Francisca atravessou o Oceano para acompanhar e visitar suas filhas. Morreu em Montevidéu, em 1904, e foi beatificada oitenta e nove anos depois por João Paulo II, em 1993.

Charles de Foucauld

Nascido em Estrasburgo, França, em 15 de setembro de 1858, Charles de Foucauld ficou órfão aos 6 anos, crescendo com sua irmã Marie na casa de seu avô materno. Na adolescência, ele se afasta da fé. De fato, em suas biografias oficiais, ele é descrito como “um amante dos prazeres e de uma vida fácil”. Aos 20 anos herdou de seu avô a herança familiar. Ao ingressar na carreira militar, foi enviado inicialmente para a Argélia e depois para a Tunísia. O testemunho de fé dos muçulmanos despertou nele esta questão: “Mas Deus existe?”. A esta pergunta ele respondeu: “Meu Deus, se você existe, deixe-me conhecê-lo”.

Ao retornar à França, depois de quatro anos, ele se demitiu do exército, passando então a viajar para explorar países e conhecer pessoas. Guiado em sua vida espiritual por Dom Huvelin, encontrou Deus em outubro de 1886, aos 28 anos: “Como acreditava que Deus existia, compreendeu que não poderia fazer outra coisa senão viver só para Ele.”

Após um período na Terra Santa, em Nazaré, volta a Paris, sendo ordenado sacerdote aos 43 anos, em 1901, na Diocese de Viviers, sendo então enviado como missionário à Argélia, onde se estabelece entre os nativos Beni Abbes, transferindo-se para o coração do deserto do Saara entre a população Tuareg: “Seria necessário que muitos religiosos e religiosas e bons cristãos – escrevia padre Charles – vivessem aqui para fazer contato com todos esses pobres muçulmanos e instruí-los”.  “Os tuaregues perto de mim dão a maior doçura e satisfação; entre eles tenho excelentes amigos”. Mas depois de 10 anos – observa em seus escritos  – “nem mesmo um único convertido! Devemos orar, trabalhar e ser pacientes”.

No deserto argelino, viveu uma vida de oração – meditando continuamente a Sagrada Escritura – e de contemplação, no desejo incessante de ser o “irmão universal” de cada pessoa, à imagem do amor de Jesus por cada homem.

Em 1916 a guerra na Europa também chegou ao deserto do Saara e o padre Charles foi vítima de uma emboscada em 1º de dezembro de 1916.

Relação do Papa Francisco com Charles de Foucauld

Charles de Foucauld é uma figura muito querida pelo Papa. Em sua Encíclica Fratelli tutti, Francisco definiu-o como uma “pessoa de profunda fé que, a partir de sua intensa experiência de Deus, fez um caminho de transformação a ponto de se sentir irmão de todos”.

O arcebispo de Argel, capital da Argélia, dom Paul Desfarges, ao comentar a Encíclica, disse que o fato de o Papa ter escrito que se inspirou no Beato Charles de Foucauld para seu documento é importante “porque a relação com o outro, intensa e plena” que o futuro Santo “viveu até o fim, é o que dá vida à fraternidade e faz a Igreja viver mais plenamente”.

E em sua Encíclica Laudato si‘, Francisco escreveu: “A espiritualidade cristã, a par da admiração contemplativa das criaturas que encontramos em São Francisco de Assis, desenvolveu também uma rica e sadia compreensão do trabalho, como podemos encontrar, por exemplo, na vida do Beato Charles de Foucauld e seus discípulos”.

Na Missa celebrada na capela da Casa Santa Marta no centenário da morte do futuro Santo, em 1° de dezembro de 2016, o Papa Francisco afirmou que Charles de Foucauld foi «um homem que venceu muitas resistências e deu um testemunho que fez bem à Igreja». 


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *