Mundo

Dia Internacional para a Abolição da Escravidão: 21 milhões de vítimas no mundo

comshalom

rv20652_articoloCelebra-se, nesta sexta-feira (02/12), o “Dia Internacional para a Abolição da Escravidão”.

A Organização das Nações Unidas (ONU) criou este dia em 2004. Esta data lembra a assinatura da Convenção das Nações Unidas, em 2 de dezembro de 1949, para a Supressão do Tráfico de Pessoas e da Exploração da Prostituição de Pessoas.

A ONU calcula a existência de 21 milhões de vítimas da escravidão espalhadas pelo mundo. A escravidão é um crime e os que o cometem, permitem ou toleram, devem responder perante a justiça.

A escravidão remonta aos tempos mais antigos da humanidade, com relatos inclusive na Bíblia. Ela era vista e vivida em várias maneiras, conforme o contexto histórico-geográfico.

Apesar dos progressos registados, a abolição da escravidão é ainda uma meta a ser atingida em pleno século XXI. Eis porque, neste dia 2 de dezembro, somo convidados a refletir e a lutar contra esta chaga da humanidade.

A escravatura faz-se sentir ainda, em nossos dias, de várias formas: trabalho forçado, servidão obrigatória, tráfico de crianças e mulheres, prostituição, escravatura doméstica, trabalho infantil, casamentos combinados, entre outros.

No Brasil, em 13 de maio de 1888, através da Lei Áurea, entrava em vigor a liberdade total e definitiva alcançada, finalmente, pelos negros. A Lei Áurea, assinada pela Princesa Isabel, filha de Dom Pedro II, abolia definitivamente a escravidão em nosso país.

Por ocasião do “Dia Internacional para a Abolição da Escravidão”, celebrado nesta sexta-feira, 2 de dezembro, o Papa, em seu tuíte, “convida todas as pessoas de boa vontade a agirem contra o tráfico de pessoas e as novas formas de escravidão”.

 

Fonte: Rádio Vaticano


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *