Mundo

Dom Zymowski: “Que a lógica do lucro nunca coloque em risco a vida”

comshalom

medicinaRealizou-se em Roma nesta quarta-feira (25), o Simpósio “Somos Raros…mas tantos. Doenças raras: fundamentos científicos e aspectos legislativos”, organizado pela “Associação Cultural Giuseppe Dossetti: os valores – desenvolvimento e Tutela dos Direitos”. Convidado pela Presidente da Associação, professora Ombretta Fumagalli Carulli, o Presidente do Pontifício Conselho da Pastoral para os Agentes de Saúde, Dom Zygmunt Zimowski, fez um pronunciamento no encontro que é realizado anualmente.

Dom Zimowski observou que “é necessário que todos colaborem para construir uma sociedade mais justa, que como sublinhou Papa Francisco em 27 de julho no Rio de janeiro, é conquistado através do esforço realizado por todos em favor do bem comum”, e isto é necessário “também no âmbito dos cuidados da saúde e das atividades pastorais para – e sobretudo com – os doentes, para que ninguém se sinta excluído do cuidado devido às pessoas e à sua saúde, no respeito da mesma dignidade de cada um”.

O Arcebispo citou então o discurso de João Paulo II dirigido aos participantes da XIV Conferência Internacional organizada pelo mesmo Dicastério em 1999, onde o Pontífice advertia não ser tolerável que os recursos econômicos limitados repercutam “nas faixas mais fracas da população e nas áreas do mundo mais pobres, privando-as dos necessários cuidados sanitários

A seguir, Dom Zimowski explicou que “as doenças raras são patologias que são assim definidas porque o número de pacientes identificados é inferior em determinados dados estatísticos, mas provocam particular sofrimento a quem é afetado por elas, devido às dificuldades de diagnose e de terapias que estas apresentam ainda hoje, também nos países economicamente, cientificamente e tecnologicamente mais avançados”.

O Presidente do Pontifício Conselho da Pastoral para os Agentes de Saúde acrescentou que “uma vez identificada a doença e estabelecida a terapia, muito freqüentemente, não existem ou não estão disponíveis os remédios necessários à cura, pela baixa requisição destes remédios”.

Dentro desta perspectiva, Dom Zimowski recordou as palavras de João Paulo II, que lançou um apelo especial “aos governantes e aos organismos internacionais, para que, ao enfrentarem a relação entre economia e saúde, deixem-se guiar unicamente pela busca do bem comum. Às indústria farmacêuticas, peço que não prevaleça nunca o lucro em relação aos valore humanos”.
Por fim, recordou que a “Santa Sé, há muitos anos está em primeira linha em pedir que as lógicas do lucro não coloquem nunca em perigo a vida, a saúde integral da pessoa, nem o respeito à dignidade das pessoas e das populações” e pediu às autoridades e expoentes dos governos para que empenhem-se sempre mais em garantir um acesso igualitário aos cuidados sanitários a nível internacional e nacional, incluindo as doenças raras, “um esforço ao qual devem participar todas as pessoas de boa vontade, os agentes de saúde e as indústrias farmacêuticas”.

O Presidente do Pontifício Conselho da Pastoral para os Agentes de Saúde, recordou que o dicastério promove de 21 a 23 de novembro próximo, no Vaticano, a Conferência Internacional dedicada ao tema “A Igreja a serviço das pessoas idosas doentes: os cuidados com as pessoas afetadas por patologias neurodegenerativas”, convidando os presentes a participar do encontro.(JE)

 

Fonte:news.va


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *