Formação

Em meio às tribulações, vença o medo com a virtude da fortaleza

A virtude da fortaleza nos leva também a suportar com paciência as provações numerosas e difíceis que Deus permite que vivamos, tais como sofrimentos, doenças, humilhações e calúnias.

comshalom

A fortaleza nos leva a nos decidir pelo bem, a termos coragem e generosidade nos esforços necessários para cumpri-lo e a constância para continuar o esforço até o fim.

A vida cristã é um chamado de Deus a viver em si mesmo a vida de Jesus Cristo. Somos filhos no Filho, e pelo nosso Batismo existe todo um organismo espiritual que começa a se desenvolver a fim de que possamos, como nos lembra Padre Amedeo Cencini, deixar que Deus forme em nós os sentimentos do Filho. É esse o nosso chamado, a nossa vocação.

Podemos então chamar a vida cristã de vida sobrenatural, que é inserida em nossa alma pela graça santificante. Para que ela possa se desenvolver, a vida sobrenatural – ou como chamamos hoje mais comumente ‘vida no Espírito’ – precisa de faculdades de ordem sobrenatural, que chamamos na teologia espiritual de virtudes infusas e dons do Espírito Santo.

As nossas faculdades naturais precisam ser aperfeiçoadas e divinizadas por hábitos infusos que as elevam e as ajudam a agir sobrenaturalmente.

Deus ampara o homem

Deus, no seu infinito amor, não nos abandona a nós mesmos, mas nós dá duas sortes de ajuda: as virtudes e os dons. A diferença primordial entre virtudes e dons é simples: as virtudes nos deixam mais ativos, precisam da decisão do homem para caminhar numa vida virtuosa, que exige disciplina, mortificação e determinação; os dons não exigem tanto uma ação vigorosa da nossa vontade, mas um deixar-se conduzir e levar pela graça de Deus.

As virtudes são teologais e morais. As primeiras influenciam diretamente no nosso relacionamento com Deus; as segundas não têm Deus como objeto primeiro da ação, mas nos fazem viver de uma tal maneira voltados para o que é bom, justo, verdadeiro e belo, que contribuem poderosamente para vivermos em santidade e justiça na presença de Deus.

Em meio às virtudes morais, temos quatro que chamamos de cardeais, pois são como raízes de uma multidão de outras virtudes morais. Eis as quatro: prudência, justiça, fortaleza e temperança.

Hoje, vamos falar sobre a virtude cardeal da fortaleza.

Suportar o que é difícil

A virtude da justiça, ajudada pelas virtudes de religião e obediência, ordenam nosso relacionamento com os outros homens. As virtudes da fortaleza e da temperança ordenam nosso relacionamento conosco mesmo.

Segundo Adolph Tanquerey: “A virtude da fortaleza, que chamamos de fortaleza da alma, força de caráter ou virilidade cristã, é uma virtude moral sobrenatural que fortalece a alma na sua luta pelo bem difícil, sem se deixar abater pelo medo, nem mesmo o medo da morte. Seu objeto é de reprimir as impressões de medo que tendem a nos paralisar nos nossos esforços pelo bem, mas também ajuda a moderar a ousadia que poderia se transformar em temeridade. Seus atos nos levam a suportar e executar ações difíceis. A fortaleza nos leva a nos decidir pelo bem, a termos coragem e generosidade nos esforços necessários para cumpri-lo e a constância para continuar o esforço até o fim.”

A virtude da fortaleza nos leva também a suportar com paciência as provações numerosas e difíceis que Deus permite que vivamos, tais como sofrimentos, doenças, humilhações, calúnias ou quando somos atacados por tentações que duram muito tempo.

Vejamos alguns graus da virtude da fortaleza: os iniciantes na vida espiritual devem lutar contra os temores que surgem diante das exigências do cumprimento de seus deveres como cristãos; devem lutar, portanto, contra o medo de se cansarem por causa do Reino e de se tornarem pobres ao usarem seus bens na partilha com os outros irmãos ou com a Igreja.

Os iniciantes devem aprender a sacrificar seus bens temporais pelos bens eternos, reconhecendo que o único mal verdadeiro é o pecado, que precisa ser evitado, custe o que custar. Devem também suportar com paciência quando são ridicularizados ou quando perdem amigos e amor de familiares por causa da fé.

As almas mais avançadas no caminho de Deus procuram imitar a virtude da fortaleza vivida por Jesus. Elas desejam, pois, imitar a vida escondida do Senhor, tendo horror ao reconhecimento humano e mundano.

Essas almas amam fazer o bem escondidas, querem fazer e suportar os trabalhos mais duros no lugar dos irmãos mais frágeis ou doentes, e o fazem com alegria. Elas amam os serviços mais humildes e até se apresentam livremente para fazê-los.

Gostam de jejuar e de se sacrificar pela conversão dos pecadores, seguindo o exemplo do Divino Esposo. Sofrem com paciência as humilhações e as doenças dessa vida a fim de atingirem a santidade que Deus, desde toda eternidade, preparou para elas.

Tudo isso vivido por amor ao Divino Esposo contribuem para aumentar o fogo do amor esponsal em seus corações e as dispõe aos piores sofrimentos, fazendo-as desejar até o martírio por amor a Jesus, se a Divina Providência as achar dignas de tal presente.

A virtude da paciência

Uma virtude muito ligada à fortaleza é a da paciência. A alma que vive a virtude da paciência tem a certeza absoluta de que tudo o que ela sofre contribui para que atinja o grau de santidade que o Deus de amor sonhou para ela. Como nessa vida o que importa é ser santo, a alma repleta da virtude da fortaleza e da paciência não tem outro desejo a não ser o de sofrer pacientemente todas as vicissitudes que nesta vida de exílio o Senhor permite que ela viva. E tudo para a maior glória de Deus!

Para adquirirmos a virtude da fortaleza, basta desconfiarmos de nós mesmos e termos uma confiança absoluta em Deus, o único forte. Isso fará com que busquemos todos os meios que a vida espiritual nos propõe para vivermos na santa vontade de Deus: muita oração, amor e leitura da Palavra, vida sacramental, penitência – especialmente o jejum, que educa a vontade – atos de caridade pelos mais fracos e desejo sincero de caminhar na verdade de Deus e de si mesmo, sem dissimular as próprias fraquezas diante do acompanhador espiritual.

O amante de Deus sabe que “tudo pode Naquele que lhe fortalece” e por isso vai decididamente para o Senhor. Depender do amor de Deus, a primazia da graça também é arma importantíssima: “A Caridade de Cristo me constrange”.

Mas afinal, onde está o teu Deus?

Gostaria de terminar com o testemunho de Elizabeth, chamada na Rússia de “a nova mártir”, martirizada por ser cristã no início do comunismo, logo após a Revolução Russa de 1917.

Seu testemunho é a descoberta da presença de Deus em seu interior, fonte de fortaleza:

“Aqueles que creem possuem um sol interior que ilumina toda tempestade na qual estão mergulhados. Sentem a presença do Santo Espírito que ilumina seus caminhos. Assim a felicidade se torna eterna, mesmo quando nossos pobres corações humanos tão limitados atravessam momentos que parecem terríveis. Rezemos, trabalhemos, esperemos! E a cada dia experimentaremos a Misericórdia de Deus. Na verdade, fazemos a cada dia a experiência de um milagre constante.”

[1] TANQUEREY, Adolph, Tratado de Teologia Ascética e Mistica, pg 237

[2] Fl 4,13

[3] II Co 5,14

[4] ELISABETH NOUVELLE MARTYR, op cit em DANIEL ANGE, l’étreinte de feu, Le sarment

 

Daniel Ramos  | Missionário da Comunidade Católica Shalom

(Texto originalmente publicado na Revista Shalom Maná)


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *