Mundo

EUA/Rússia: acordo sobre armas químicas na Síria. Regime de Assad diz ser uma vitória do seu governo

Siria3Os EUA e a Rússia chegaram a um acordo no passado sábado para a eliminação das armas químicas do regime de Bashar al-Assad. O plano prevê a entrega de uma “lista detalhada” do arsenal sírio no prazo de uma semana e a sua destruição até meados de 2014.

O acordo alcançado prevê a entrada de inspetores das Nações Unidas na Síria nas próximas semanas, “antes do fim de Novembro”, e trava um ataque militar imediato por parte dos EUA.

Os pormenores do plano foram divulgados pelo secretário de Estado norte-americano, John Kerry, e pelo ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Sergei Lavrov, no final de uma ronda de negociações em Genebra, na Suíça, que começou na quinta-feira.

Os dois responsáveis anunciaram os pormenores do acordo numa conferência de imprensa conjunta, em que a principal questão foi a decisão sobre o que fazer no caso de o regime de Bashar al-Assad não cumprir os seus compromissos.

O ministro russo afirmou que o acordo alcançado neste sábado entre os dois países não contém nada que preveja o uso da força; o secretário de Estado norte-americano disse que os EUA e a Rússia não têm nenhum pré-acordo sobre medidas específicas a aplicar se Bashar al-Assad faltar com a palavra.

Por sua vez o regime de Bashar al-Assad reagiu neste domingo pela primeira vez ao acordo alcançado no sábado pelos EUA e pela Rússia, classificando o plano como “uma vitória para a Síria”. Numa entrevista à agência russa RIA Novosti citada pela edição on line do jornal Público, o ministro para a reconciliação Ali Haidar disse que o acordo com vista à destruição do armamento químico do país vai “ajudar os sírios a sair da crise e permite evitar a guerra contra a Síria, ao privar de argumentos aqueles que a queriam lançar.”

Para a oposição a Bashar al-Assad, o acordo EUA/Rússia não traz nada que possa contribuir para o fim da guerra civil na Síria, que já fez mais de 100.000 mortos em dois anos e meio. “Ajudar os sírios significa parar a matança”, disse um ativista da oposição à agência Reuters.

Neste domingo surgiram notícias de que aviões de guerra sírios bombardearam redutos rebeldes da capital um dia depois da assinatura do acordo entre EUA e Rússia. O presidente Barack Obama disse que ainda poderá lançar ataques se Damasco não seguir o plano de desarmamento desenhado por Washington e pela Rússia aliada de Assad.

As respostas internacionais para o acordo de sábado foram cautelosas. Os governos ocidentais citaram as enormes dificuldades técnicas de ser destruído um dos maiores arsenais químicos no decurso de uma guerra civil.

Entretanto está marcada para hoje a apresentação do relatório da ONU sobre a utilização de armas químicas na Síria. Aguarda-se que, a qualquer momento, Ban-Ki-Moon apresente as conclusões das investigações feitas pelos inspectores das Nações Unidas no terreno. (RS)

Fonte: Rádio Vaticano


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *