Parresia

Família e Sociedade: qual o lugar da família no mundo

A família precede a sociedade e é mais necessária do que esta, por ser a sua base. Ou seja, a “sociedade não existe senão a partir da família”.

Antes da era cristã, o filósofo chinês Confúcio (551-479 a.C.) dá testemunho da experiência milenar que reconhece a importância natural da família em relação ao seu duplo caráter social (e político) e educativo: “para governar deliberadamente um reino é necessário dedicar-se primeiramente a estabelecer a família e o ordenamento que lhe convém. Uma família que responda às exigências humanas e pratique o amor bastará para infundir na nação estas mesmas virtudes”. Da mesma forma, encontramos no mundo grego o ensinamento de Aristóteles (384-322 a.C.), que concebe a família a partir da união conjugal de um homem e uma mulher, afirmando que é nesta união natural que se gera a prole e, com isso a própria sociedade, tanto na sua estrutura quanto na sua dinâmica.

A família precede a sociedade e é mais necessária do que esta, por ser a sua base. Ou seja, a “sociedade não existe senão a partir da família”. Todo ataque à família atinge a sociedade em sua raiz e traz consequências nocivas às futuras gerações.

Crise antropológica e ataques à família tradicional

Atualmente a família é alvo de ataques, em grande parte, decorrentes da crise antropológica e espiritual que tem massificado as sociedades contemporâneas. Assistimos, assim, a uma ruptura histórica que torna a família um grupo obsoleto e ultrapassado. Contudo, observando a sabedoria humana acumulada nos séculos, encontramos pontos comuns que ultrapassam raça e credo, porque são princípios básicos da sociedade, que só pode existir de maneira equilibrada a partir desse núcleo que se chama família.

Ao longo dos séculos podemos observar a mudança de valores na dimensão sócio-cultural, que anteriormente se apoiava em duas convicções: o primado de Deus sobre o homem e o primado do homem sobre as coisas. Os valores éticos que deveriam reger uma sociedade nasciam dessa união, que tinha seu berço de desenvolvimento no núcleo familiar. Na Idade Moderna a mudança de orientação social, que passa a ter como primado o próprio sujeito, desloca o eixo de sustentabilidade da polis, criando rupturas profundas na família, acerca da compreensão de si e da sua missão no mundo.

Valores tradicionais x valores hedonistas

Analisando as consequências do modernismo e pós-modernismo, Gilles Lipovetsky – filósofo francês, teórico da Hipermodernidade – observa que o aparecimento do consumo de massa no Ocidente está relacionado à rejeição dos valores tradicionais, que cederam lugar aos valores hedonistas e estes se tornaram os princípios axiais da cultura moderna. Quando os valores sociais já não são claros, é fundamental que cada família tenha clareza dos seus valores-base e que estes sejam transmitidos nos gestos quotidianos; quando são incertos os caminhos indicados pela cultura, a definição clara dos papéis familiares é fundamental para indicar um horizonte de sentido no presente e no futuro das novas gerações.

Quer ser avisado sobre a abertura de turmas dos cursos do Instituto Parresia? Faça seu cadastro. É rápido!

As grandes transformações do século XX

Essas transformações influenciaram no modo de autocompreender-se, de relacionar-se e de pôr-se no mundo de cada pessoa. Mudar é uma característica da vida, e toda mudança traz consigo uma série de desafios, porque exige abrir mão de certas seguranças; exige também a capacidade de adaptação diante do que se apresenta como novidade, além de uma dose de humildade para acolher as transformações necessárias.

Quando se trata de mudança de época, como a que vivemos, os desafios são ainda maiores, porque exigem clareza em “distinguir entre o que é essencial na vivência e o que é marca cultural de tempos que não voltam mais”. É necessário saber discernir o que é essencial e que fundamenta cada dimensão da vida e que, por isso, precisa ser mantido como garantia e proteção do futuro.

A modernidade já havia conquistado “a autonomia da cultura, a desvinculação do religioso e do político, a legitimidade do estado moderno como Estado de direito, a autonomia das sociedades civis sob orientação da razão democrática”, porém, com tantas possibilidades e sem uma bússola que possa ajudá-lo a encontrar o norte da sua vida, o ser humano pós-moderno encontra-se à deriva do próprio subjetivismo.

Essa é, também, a constatação do sociólogo polonês Zygmunt Bauman que, ao descrever algumas das características da “modernidade líquida”, identifica a crescente falta dos pontos estáveis de orientação que antes serviam de referência para a autoconstrução do indivíduo. De fato, a falta de referências traz consequências nocivas para o ser humano individual e para as culturas em geral, podendo chegar à perda de identidade e à expatriação de si mesmo.

Leia também: Família e sociedade: desafios e possibilidades

Autor:

Josefa Alves dos Santos
Doutoranda em Teologia Sistemática pela PUC-Rio, missionária da  Comunidade Católica Shalom.


Comentários

[fbcomments]

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *