Notícias

Festival Halleluya leva Shalom Amigo dos Pobres aos Arcos da Lapa

Quem chegava ao local para ser atendido passava por um circuito de serviços: cadastro, atendimento médico, atendimento jurídico, restaurante, oração e aconselhamento. Ao todo, cerca de 500 pessoas receberam diferentes tipos de atendimentos.

comshalom

Além de muita música com artistas internacionais e nacionais, o Festival Halleluya trouxe para o Rio de Janeiro ações solidárias através do Shalom Amigo dos Pobres. Na manhã deste sábado (12), dia em que o festival acontece aos pés do Cristo Redentor a partir das 18 horas, a Comunidade Católica Shalom, em unidade com outras comunidades e movimentos da Igreja no Rio, realizou diversas atividades de assistência aos mais necessitados nos Arcos da Lapa. Ao todo, cerca de 500 pessoas receberam diferentes tipos de atendimentos.

Quem chegava ao local para ser atendido passava por um circuito de serviços: cadastro, atendimento médico, atendimento jurídico, restaurante, oração e aconselhamento. 140 medicamentos foram distribuídos, 9 pessoas receberam curativos e outras 91 foram vacinadas. 28 testes de Covid-19 também foram realizados. 700 refeições foram entregues (400 almoços e 300 lanches) e 80 pessoas tomaram banho em chuveiros instalados no local. Além disso, 200 pessoas receberam atendimento jurídico e outras 200, atendimento médico.

Experiência com o Amor

Consagrado na Fraternidade São Francisco de Assis na Providência de Deus, Alex conta que, neste dia, pode presenciar a misericórdia de Deus através dos “irmãos de rua”. Ele partilha ainda que contemplou o cuidado de Deus na forma como os atendidos viviam cada momento, sem alvoroço e com tranquilidade. Frei Paulo, da mesma fraternidade, também serviu aos pobres no evento. O religioso destaca o testemunho de uma mulher que chegou dizendo que estava morta e, ao passar por todos os atendimentos, ela foi tendo uma experiência de amor a ponto de no final pedir um abraço aos missionários que estavam trabalhando no local.

Ana Cecília, estudante de medicina, foi voluntária na ação. A jovem destaca que essa experiência impactou a sua formação profissional. Para ela, o contato com os médicos e com outras pessoas que estavam servindo foi muito importante. Ana teve ainda a oportunidade de encontrar um homem que havia sido atendido por ela em outra campanha.

De alguma forma, ele também se cuida e aproveita sempre quando tem acesso, porque às vezes é tão difícil conseguir um atendimento em uma clínica, mas aqui ele está no local dele, a gente que se deslocou para atender a necessidade de cada pessoa, afirmou.

Assista novamente ao Festival Halleluya Rio de Janeiro

 


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *