Formação

Frei Patrício: Reconciliar-se com tudo e com todos, mas de que forma?

Reconciliemo-nos conosco mesmos, não permitindo que o rancor e o ódio se aninhem em nós. Reconciliemo-nos com os outros, com todos, deixando de lado o mal, o pecado, as realidades, e reconciliemo-nos especialmente com Deus.

comshalom

A intenção da oração deste mês é a reconciliação, tema que merece ser meditado e colocado em prática não somente em tempo de Quaresma, mas a todo momento da nossa vida, se quisermos de fato viver na paz e na harmonia conosco mesmo, com Deus e com a criação.

Não é fácil compreender o ser humano, que é cheio de contradições, cheio de “mas…”, “se…”, “porém…”. É, sim, difícil compreender este que toma decisões contrárias àquelas que queria tomar. Sim, nós somos um mistério e, como tal, devemos saber nos aceitar. Devemos, mesmo com nossa fragilidade, caminhar para o ideal da perfeição, que o próprio Jesus nos propôs: “Sejais perfeitos como é perfeito o vosso Pai celestial”. Este é um ideal que nunca alcançaremos, mas que nos leva a não adormecer na mediocridade. 

Sobre a reconciliação

O tema da reconciliação, que é consequência da conversão, percorre toda a Sagrada Escritura. Esta nos mostra que não é suficiente pedir perdão e dar o perdão de boca para fora. É necessário reconciliar-se. Isto significa fazer as pazes, retomar juntos o caminho, de mãos dadas, sem murmurar e sem remoer o nosso passado sobre os nossos pecados e sobre as ofensas recebidas.

Nestes dias, alguém pegou meu telefone sem pedir. Isso me fez sentir raiva por um momento. Mas pensei bem e vi que é preciso viver a reconciliação, sem pensar no que foi feito nem em que o fez, porque pensar mal de alguém nos impede de ter a paz interior. Devemos sempre abrir o coração para a misericórdia que desce do céu e inunda o coração de todos. Às vezes, então, o silêncio é a melhor atitude que podemos ter diante das situações. Em alguns momentos, é preciso o silêncio da oração para que as pessoas tenham respeito pelas coisas que pertencem às outras. 

Este tempo de Quaresma é um momento favorável, como nos diz o apóstolo Paulo: “Eis o momento favorável, o momento da conversão”. Podemos descobrir ou redescobrir o sacramento da confissão, que se chama também reconciliação, para assim viver na intimidade com Deus e deixar que a Sua misericórdia chegue até o mais profundo de nós mesmos, nos purificando de todos os pecados, conscientes ou inconscientes, que estão na nossa alma. Este sacramento é o mais belo, junto da Eucaristia, que nos permite experimentar o amor de Deus na nossa vida, um amor que não tem fim, como não tem fim também a nossa rebeldia em viver a Palavra de Deus.

Reconciliemo-nos conosco mesmos, não permitindo que o rancor e o ódio se aninhem em nós. Reconciliemo-nos com os outros, com todos, deixando de lado o mal, o pecado, as realidades, e reconciliemo-nos especialmente com Deus, que não poupou o Seu único Filho, Jesus, que, com seu Sangue, nos lavou e nos reconciliou com todos, e nos reconcilia com a própria natureza, levando-nos a conservar com amor a casa comum do universo, não destruindo-a com o desejo de ganância e de fome animalesca, que não sabe manter o belo, o que Deus criou.

O Estilo de Jesus é a mansidão

“É uma frase forte, neste mundo que, desde o início, é um lugar de inimizade, onde se litiga por todo o lado, onde há ódio em toda a parte, onde constantemente classificamos os outros pelas suas ideias, os seus costumes e até a sua forma de falar ou vestir. Em suma, é o reino do orgulho e da vaidade, onde cada um se julga no direito de elevar-se acima dos outros. Embora pareça impossível, Jesus propõe outro estilo: a mansidão. É o que praticava com os seus discípulos, e contemplamos na sua entrada em Jerusalém: ‘aí vem o teu Rei, ao teu encontro, manso e montado num jumentinho’ (Mt 21,5; cf. Zc 9,9).” (Gaudete et Exsultate, 71)

Como podemos vencer a cultura do ódio que está atravessando a humanidade neste tempo? Este ódio aumenta com os meios de comunicação, com as fake news, com as brincadeiras de mal gosto. Lentamente se transforma em racismo, em todas as formas mais animalescas possíveis. Que meios podemos usar para contrapor a onda do mal destruidor da dignidade humana, a onda da violência? O segredo é o novo estilo de vida inaugurado por Jesus: as bem-aventuranças. 

Bem-aventurados os mansos, porque possuirão a terra. Aqui, não se trata de conquistar a terra com a violência das armas, estas sempre mais poderosas, nem se trata de conquistar o coração humano com falsas promessas, pois tudo isto não leva a nada e é algo deletério, nocivo. Jesus, ao contrário, tudo fez com mansidão. Não feriu, não julgou. Só amou, preferindo se deixar ferir a ferir. Eis a mansidão.

As dez palavras

Os mandamentos de Deus são como lâmpadas que iluminam os nossos passos, são água viva no deserto da vida, são sombra no calor do dia. Eles constituem um ponto fundamental da revelação do amor de Deus para com o Seu povo. O Senhor não quer que nós caminhemos sem saber para onde vamos, os mandamentos nos indicam, então, a maneira que devemos nos comportar. Eles contêm três orientações:

  1. O respeito para com Deus. Ele é o único que nos ama e que exige de nós não coisas, mas amor verdadeiro, sem nos deixar escravizar pelos muitos ídolos que povoam a vida diária de todos os tempos.
  2. O respeito para com os outros. Devemos proteger a vida dos outros. Não deve haver homicídio nem ódio. Devemos também proteger a nossa própria vida, respeitando-nos como templo do Espírito Santo.
  3. O respeito às coisas dos outros. Os mandamentos de Deus nos orientam para que não defraudemos ou tomemos posse do que não é nosso.

O Decálogo não é uma lei que escraviza, mas uma resposta à Aliança de Deus com o Seu povo. A aliança é sempre um relacionamento de reciprocidade. Deus é sempre fiel e não trai a si mesmo nem a nós, que, sim, somos infiéis e traímos muitas vezes ao Senhor, aos outros e a nós mesmos.

Releiamos muitas vezes este belo capítulo 20 do Êxodo, para não esquecermos a Aliança entre Deus e nós. 

O Salmo 18 é uma resposta à fidelidade e ao amor de Deus. Por meio dele, proclamamos que só o Senhor tem palavras de vida eterna.

Cristo sabedoria de Deus

Onde contemplar a vivência radical, única e cheia de adesão e fidelidade às dez palavras de Deus dadas a Moisés? Não encontramos nos livros, mas sim e especialmente na vida de Jesus. Cristo é a Palavra de Deus feita carne, que viveu o projeto de Deus. Nós, ao contemplá-Lo, descobrimos o caminho que devemos seguir. 

O próprio Jesus nos disse um dia: “Não são os que dizem ‘Senhor, Senhor’ que serão salvos, mas os que escutam a palavra de Deus e a põem em prática”. Escutar e praticar são dois verbos usados sempre juntos e nunca separados. 

Os mandamentos de Deus não são uma filosofia de vida, mas carne viva que sofre por amor. Aprendamos a não “diluir” a Palavra de Deus, mas a vivê-la sempre contemplando Jesus na cruz, que morre para ser fiel a Deus, a si mesmo e aos outros.

Com os diabos, as boas maneiras não servem

Quando deixamos o mal entrar em nós, profanamos o templo de Deus que nós somos. E quando deixamos que o mal da corrupção, da ganância, do proveito pessoal entre na Igreja e nas nossas comunidades, somos comos os vendilhões do templo de Jerusalém, que são como diabos que profanam a casa de Deus. 

Como reagir diante de tudo isto? Com boas maneiras e com discursos não adianta. É preciso agir com força e firmeza como Jesus. Os diabos, pequenos ou grandes, devem ser tratados com dureza e não com amor. É o que faz Jesus contra um estranho costume que se tinha infiltrado no templo de Jerusalém. Este se havia transformado em uma venda, onde o importante não era mais a glória de Deus, mas o lucro. 

É necessária uma reflexão em dois níveis, um pessoal somos templos vivos de Deus e devemos vigiar, para que o nosso coração não seja invadido pelo mal e outro comunitário, eclesial, no qual não se deve dar a precedência ao lucro, mas à evangelização.

Palavra que ilumina a semana

Verifiquemos se o nosso coração é um templo profanado pelas coisas do mundo e se damos mais importância ao lucro do que à caridade e à glória de Deus.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *