Shalom

Gabriela Dias abordou a evangelização diária na família e no trabalho

img_20161016_103547321

A família, o trabalho e o colégio ou faculdade são locais propícios de evangelização diária. “Jesus confiou a nós um povo”, destacou a assistente apostólica da Comunidade Shalom, Gabriela Dias. Ela pregou na tarde do Encontro Geral da Obra Shalom em Sobral-Ce. O evento é realizado no Ginásio Poliesportivo neste domingo, 16.

A oração nos locais em que passamos diariamente é feita pelo testemunho e também o anúncio explícito de Jesus. “Uma conversa na sala de aula pode mudar a vida de uma pessoa para sempre”, destacou.

Gabriela Dias contou seu testemunho de evangelização com sua família e na faculdade. Ela lembrou que os dois anos em que passou na faculdade de medicina foi uma “escola de coerência evangelizadora.” Foi um tempo em que ela pode viver a evangelização no meio dos jovens. “A faculdade e a família se tornaram um lugar de evangelização”, contou. Na época, Gabriela tinha entre 17 e 18 anos. “A primeira coisa que Deus me pediu foi o celibato e rezar todos os dias”, contou.

A assistente apostólica lembrou a Evangelii Nuntiandi do Papa Paulo VI na qual o Santo Padre destacou que o testemunho de uma vida cristã é o primeiro meio de evangelização. “O testemunho de uma vida autenticidade cristã, entregue nas mãos de Deus e dedicada ao próximo é o primeiro meio de evangelização”, explicou.

Para evangelizar nos nossos lugares de trabalho e nas nossas casas é necessário ser a mesma pessoa que tem sede de Deus na oração, na casa e no trabalho. “As pessoas escutam com mais boa vontade as testemunhas que os mestres.” Para testemunhar, importa a forma como eu me visto, como uso meu tempo livre, como uso meu dinheiro, como eu me relaciono com meus pais e com os outros. E também como nos relacionamos com Deus na oração. “O belo testemunho cristão é fruto de uma experiência com Deus.”

Nas famílias, é necessário dar testemunho e aproveitar as perguntas para evangelizar. “A família vai vendo seu testemunho e vai desejando viver também”, destacou. Também é necessário não viver um discurso moralista para a família, mas rezar com eles.

Gabriela disse ainda ser necessário estar junto com a Comunidade para evangelizar. “Cuidado com a idolatria do cansaço, o ídolo do bem-estar”, ressaltou. Por conta dos cansaços, existe o risco de deixar de amar.

Teresa Fernandes


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *