Notícias

Irmã Lorayne vence MasterChef com ajuda de seus amigos no Céu

Irmã Lorayne, freira do convento de Nossa Senhora da Ressurreição, ganhou destaque nacional. Ela foi a vencedora do 17º episódio do MasterChef Brasil, que em 2020, devido à pandemia, recebe a cada programa novos competidores.

comshalom

Quem vive a vida missionária busca sempre coloca os seus dons a disposição dos outros. Na última semana, o dom de cozinhar da Irmã Lorayne, freira do convento de Nossa Senhora da Ressurreição, ganhou destaque nacional. Ela foi a vencedora do 17º episódio do MasterChef Brasil, que em 2020, devido à pandemia, recebe a cada programa novos competidores. A religiosa partilha que contou com a intercessão dos santos na prova realizada durante o episódio do dia 3 de novembro.

Freia Lorayne aprendeu a cozinhar ainda na infância com a ajuda de sua avó. No convento, passou a preparar a refeição para as suas irmãs de congregação. Participar do MasterChef não foi uma ideia bem vista em um primeiro momento, contudo, depois de um tempo, a jovem conseguiu a permissão para participar do programa. Em sua prova, ela teve que fazer tiramisu e strogonoff de camarão. Com o último prato, Irmã Lorayne conquistou o prêmio do MasterChef Brasil.

“Era Deus me falando pega isso, pega aquilo e assim eu fiz […] Temos obras na instituição, então o dinheiro vai para lá. A vida religiosa feminina é muito forte e, mesmo longe, todas estiveram comigo”, testemunha.

Estar no mundo sem ser do mundo

Estar no mundo sem ser do mundo. Essa é a missão da vida consagrada. “Estar no MasterChef é mostrar que a gente também come, cozinha e está inserida no contexto tecnológico”, comenta irmã Lorayne. Contudo, vale destacar que essa não é a primeira vez que uma religiosa participa de um programa de televisão e vence. Irmã Cristina ficou conhecida no mundo inteiro por surpreender os jurados do The Voice Itália em 2014 cantando música pop. Na final do reality musical, a freira ursulina convidou a todos a rezar a oração do Pai Nosso. O momento foi emocionate.

De acordo com Carmadélio Sousa, consagrado da Comunidade de Aliança Shalom, a apresentação de Irmã Cristina foi uma ação de evangelização porque aproveitou um espaço secular para falar de Deus. Carmadélio comenta que ficou claro para todo o público que ela era uma religiosa. “Na nossa evangelização, nós não precisamos deixar de ser quem nós somos”, alerta. O consagrado ainda ressalta que a ousadia da jovem é um testemunho de que é possível evangelizar em qualquer ambiente.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *