Igreja

O amor não é uma filosofia idealista, é concreto e transforma o mundo, afirma o Papa

Francisco recorda que somos filhos do mesmo Pai, sem distinção de proveniência ou nacionalidade, chamados a “dar a vida” pelos outros.

comshalom

“Juntos no amor, nós cristãos podemos mudar o mundo, podemos mudar nós mesmos, porque Deus é Amor!”

Palavras do Papa Francisco na vídeo mensagem endereçada ao “John 17 Movement” (Movimento João 17), uma experiência ecumênica inspirada justamente no versículo 17 do Evangelho de João: “Que todos sejam um”.

O movimento nasceu nos Estados Unidos em 2013 da intuição do pastor pentecostal estadunidense Joe Tosini. Os integrantes estão em retiro no Seminário São José, em Nova Iorque, com a participação do cardeal Joseph Tobin. O tema do retiro também é inspirado no Evangelho de João, sempre capítulo 17: “Reconciliação Relacional, um Novo Caminho para a Reconciliação dos Cristãos” (cfr.  Jo 17, 13-17).

Tudo nasce do encontro com Jesus

“O amor não precisa de profundos conhecimentos teológicos, que são todavia necessários”, explica o Papa, recordando que é o encontro de vida com a pessoa de Jesus. E deste encontro de amor, tudo nasce: “Nascem as amizades, a fraternidade e a certeza de ser filhos do mesmo Pai”. Com efeito, reitera Francisco, o amor “pode mudar o mundo, mas muda primeiro a nós mesmos”.

Para o Papa, é comovente a expressão dos Atos dos Apóstolos com a qual definiam a primeira comunidade cristã: “Vede como eles se amam”.

Filhos de um mesmo Pai mesmo na pobreza e na guerra

O Movimento João 17, afirma Francisco, “é sobre o amor daqueles que, ao redor da mesa, tomando um cappuccino, almoçando ou tomando um sorvete, descobrem-se irmãos, não pela cor nem pela nacionalidade ou proveniência, nem mesmo pelas diferentes maneiras de viver a fé, mas como filhos de um mesmo Pai”.

 E mesmo que não haja uma mesa, um cappuccino, mesmo que não haja um sorvete e nem mesmo um café, porque existem pobreza e guerra, somos igualmente irmãos, e devemos dizê-lo uns aos outros. Sem pensar na proveniência nem na nacionalidade, nem na cor da pele, somos filhos de um mesmo Pai.

Fazendo votos de que o encontro com o Movimento adiado pela pandemia possa se realizar o quanto antes, o Papa exorta os integrantes a “continuarem a caminhar juntos, compartilhando a vida e o amor fraterno”. Como diz Joe Tosini, “o amor é a coisa mais importante do mundo, mas ninguém ensina como amar!”:

Ame ou não ame, o Amor que se fez carne, o Amor que deu a própria vida por nós, este é o caminho. Muitas vezes, confundimos o amor com uma espécie de filosofia platônica, idealista. O amor é concreto, o amor dá a vida pelos outros, como Jesus a deu por nós. Talvez porque o amor não se ensine, se vive, e vocês nos ensinam vivendo-o.”

Francisco se despede, como sempre, pedindo orações por ele, “porque este trabalho – disse – não é nada fácil”.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *