Institucional

O charme da jóia

comshalom

Segredo para vencer os desafios do relacionamento conjugal

Namoro, noivado e a fraqueza do outro se chama “charme”. Primeiros anos de casamento e ela se torna “descoberta”. Mais alguns anos e atende pelo nome de “desafio”. Alguns cinco anos mais e fica à espera de nossa decisão sobre o nome que lhe daremos: “decepção” ou “tesouro”.

Se resolvemos, interiormente, chamá-la de decepção, desilusão, frustração, o casamento tende ao fracasso. Se não o divórcio, nos casos extremos, pelo menos aquela separação de mentes, de objetivos, de corações. Aquela separação de vidas paralelas que não se encontram nem no infinito.

Declaramos o outro “sem jeito”, desistimos dele, resolvemos procurar a nossa própria vida, a nossa própria “felicidade” independente da felicidade do nosso cônjuge.

Se, internamente, optamos por chamar o ex-charme de “joia preciosa”, de “tesouro”, estaremos colocando os óculos da caridade, que tudo crê, tudo espera, tudo suporta, também – e especialmente! – no casamento.

É interessante observar como sabemos aplicar os princípios cristãos da caridade no nosso relacionamento com os empregados, com os porteiros, com os doentes, os miseráveis, a vizinha, o colega de trabalho, os amigos do tempo de colégio, com gente importante, mas não conseguimos sequer pensar em aplicá-los com nosso marido ou mulher. Por que será?

A resposta que tenho colhido das pessoas é: “Com ele/ela eu não tenho mais máscaras, posso ser eu mesmo/eu mesma”. Outros – muito raros – são de uma franqueza chocante: “Por que com ele/ela não me interessa mais…”. Outros ainda, de uma desilusão patética: “Porque cansei”.

Não sei qual resposta você daria a este enigma de porque, com o cônjuge, tendemos a relaxar naquela caridade de I Cor 13. Sei, porém, o que Deus quer, o que ele espera de você. E é que, com seu cônjuge, mais do que com qualquer outra pessoa do mundo, você se esforce com toda a sua energia a viver o mandamento da caridade, dando a vida por ele.

A Palavra nos ensina que “ninguém abusa a própria carne”. Não aplicar I Cor 13 ao meu cônjuge, é ofender a mim mesmo, uma vez que ele e eu somos uma só carne e, onde uma é a carne, um é o espírito. Antes de servirmos e amarmos o pobre, o doente, o prisioneiro, o solitário, o órfão, a viúva, somos chamados a amar nosso cônjuge e nossos filhos. Em geral, o fascínio, o heroísmo explícito, o “charme” do serviço aos que sofrem – bom, indispensável para um cristão! – atrai mais que o heroísmo invisível, discreto e – hoje em dia considerado medíocre pelo mundo – de servirmos e amarmos nosso cônjuge e filhos.

Santa Benedita da Cruz, a Edith Stein, alerta para o fato de preferirmos “nos deixar pregar na cruz com o Cristo do que nos tornarmos, com Ele, uma criancinha balbuciante”. Ela se refere ao charme do heroísmo explícito em detrimento do heroísmo escondido no segredo do coração – como o de Nossa Senhora – onde só Deus vê e praticamente ninguém aplaude.

O tudo crer, tudo suportar, tudo esperar do outro, no casamento, quando, dia após dia, hora após hora, ele revela a mesma fraqueza do mesmo jeito, nas mesmas ocasiões, apesar de já termos conversado mil vezes sobre o assunto, é, certamente, menos charmoso e explicitamente heroico do que fazermos uma bela e empolgante pregação, darmos todos os nossos bens aos pobres ou até entregarmos nosso corpo às chamas. Talvez por isso tenhamos mães muçulmanas que tiram a última foto com o filhinho no braço antes de se explodirem, optando pelo heroísmo explícito e barulhento em detrimento do permanecer viva para criar, mesmo na dificuldade enfrentada por seu povo, seu filhinho.

Mas, voltemos ao “charme da joia”. Se optamos por ver a fraqueza mais desafiante de nosso cônjuge como um verdadeiro tesouro, uma verdadeira joia, uma oportunidade imperdível de crescermos juntos no perdão, no amor, na acolhida, no auto-conhecimento, na caridade de Cristo, na santificação mútua, sua fraqueza, longe de ser um “defeito” insuportável (quem tem “defeito” é geladeira, aspirador de pó, liquidificador, não gente!) passa a ser uma bela jóia, a mais bela, preciosa e charmosa de todas: a joia de nossa salvação.

O Batismo, que nos tirou o pecado original, que nos perdoou todo pecado, toda culpa, toda pena; a Reconciliação, que nos perdoa o pecado e nos deixa tão puros e belos quando por ocasião do Batismo, colocam-nos diante de um paradoxo: libertam do pecado, mas não da inclinação ao pecado – aquilo que chamamos concupiscências, que geram nossas “fraquezas de estimação” – nossas e do nosso cônjuge. E a gente, que tem mania de ser Deus, fica a querer perguntar: “Mas Senhor, como é que você fez isso? Não dava para ter tirado tudo logo?”

Caso você tenha coragem de fazer esta pergunta explicitamente, dê uma olhada para o céu e você vai ver Jesus, no meio de todos os santos, inclusive de seus pais na terra e os diversos casais que João Paulo II tem canonizado, sorrindo e piscando para você, brincalhão e significativo, seus belos olhos: “É este o segredo: a fraqueza do teu cônjuge, do teu irmão, não é desilusão frustrada, é o charme da joia. A joia que eu te dei, escondida em mil camadas de pedra. A joia que te dá razão para lutar contra ti mesmo, para amar, para vencer o egoísmo e dar a vida pelo teu cônjuge, que também é teu irmão.”

Ao ver Jesus assim, quem hesitaria tomar pelo braço sua agora ex-decepção-desilusão e, todo feliz, dizer: “Vamos, meu tesouro, minha joia, para nossa casa” e saírem juntos, os dois, orgulhosos um do outro como nos tempos em que a fraqueza do outro era “charme”?

Formação 2008


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *