Formação

O que a Bíblia diz sobre o casamento?

O tema do casamento não está fora de um pensamento que não é estático. Por tal motivo, nos acompanhe neste rápido percurso sobre a imagem do casamento na Bíblia.

comshalom

A Sagrada Escritura é um livro composto por vários livros. Cada um deles teve um processo de composição longo e complexo. Neles se percebe o pensamento do povo judeu, que será depois a herança para o novo povo de Deus, o cristianismo. No entanto este pensamento não é simples e está composto por várias camadas, por uma espécie de evolução. 

O matrimônio no pentateuco

Em primeiro lugar, percebemos que há uma concepção bem antiga, da época patriarcal (meados do XVIII a.C.), onde é permitida a poligamia. Segundo essas tradições, Abraão, por exemplo, mesmo que só tivesse uma esposa, Sara, recebeu a escrava dela, Agar, para dar cumprimento à promessa de Deus.

Depois o Senhor os corrigiria ratificando que o filho prometido por Deus viria da sua esposa legítima. Também de Jacó, outro dos patriarcas do povo de Israel, se diz ter ganho por esposa duas irmãs, Lia e Raquel (Gn 29). Do mesmo jeito Salomão se diz que tinha 700 esposas e 300 concubinas (1Re 11). Fora os elementos literários e
teológicos dos textos, pode-se notar que nestes relatos há claramente uma aceitação da poligamia.

Outra tradição antiga seria aquela que se encontra no livro do Deuteronômio, no qual o autor sagrado relata pela voz  de Moisés a prescrição de poder dar carta de repúdio à sua mulher e deixá-la livre (Dt 24,1). No entanto, a história do povo de Israel não pararia ali.

O Matrimônio como sinal da relação entre Deus e seu povo

Podemos apreciar uma evolução importante do pensamento na época dos profetas (ao redor dos séculos IX – VI a.C). Ali há uma preferência pela monogamia ao tempo que valores como a fidelidade e estabilidade do casal se incentivam. Isto encontra-se claramente no Profeta Oséias (séc. VIII), quando entende a relação de Deus com o povo como de um esposo com uma esposa.

Em outras palavras, Deus, por meio do profeta, revela a existência de uma esponsalidade divina para com o povo. Vejamos só dois exemplos: Desposar-te-ei comigo para sempre; desposar-te-ei comigo em justiça e em direito, em amor e em misericórdia. Desposar-te-ei comigo em fidelidade, e conhecerás ao Senhor (Os 2,19-20); assim como um jovem desposa uma jovem, aquele que te tiver construído te desposará; e como a recém-casada faz a alegria de seu marido, tu farás a alegria de teu Deus (Is, 62,5). A este propósito a tradição judaica sempre viu nos poemas esponsais do Cântico dos cânticos uma expressão da esponsalidade de Deus com o povo.

A ruptura desta esponsalidade é vista como a causa do exílio tanto do Reino de Israel, quanto do Reino de Judá, que mais tarde ficará escrito à perpetuidade nos textos do Pentateuco e nos livros históricos. Mas também se expressará em tom de Lei e advertência, essa nova proposta de estrutura religiosa para o povo Judeu que voltou do exílio.

A partir dali reinará o pensamento de que, assim como Deus desposou o povo e lhe é fiel, mesmo que o povo não lhe corresponda, assim também a relação matrimonial deve ser fundada na monogamia e na fidelidade. Encontramos eco deste pensamento no livro do Gênesis, sobretudo nos relatos da criação: “Por isso, o homem deixa o seu pai e a sua mãe para se unir à sua mulher; e já não são mais que uma só carne”.

O matrimônio no novo testamento

Dando um pulo para o novo testamento, nos evangelhos escutamos a Jesus falando em várias passagens sobre o casamento. Comentemos aqui a mais célebre resposta de Jesus quando interrogado pelos escribas e fariseus (Mc 10, 2-12). Ele deixa bem claro que o matrimônio é uma instituição divina, para sempre, e que a carta de divórcio que Moisés permitiu, respondia mais à dureza do coração do que ao plano inicial de Deus, no qual tal união não seria permitido ao homem separá-la.

Mas as referências ao casamento e o seu status de eternidade, enraizado no amor e na mútua entrega, pertencem também aos escritos paulinos e joaninos. Em relação a este último, poderíamos mencionar a passagem das bodas de Caná (Jo 2), onde a exegese moderna encontra uma profunda relação esponsal entre Jesus, o esposo, e o novo povo de Deus, a humanidade, a Igreja (Cf. Bento XVI, 2007); assim como o reconhecimento de João como “amigo do noivo” (Jo 3,29). Também no livro do Apocalipse apresenta “as bodas do cordeiro”, como esse grande desposório escatológico no qual a Igreja corresponde à voz do esposo com fidelidade até o martírio.

 

Finalizemos com a grande imagem de São Paulo acerca do casamento. Pois ele dá a pontada final* com o qual a Igreja completa sua compreensão doutrinária sobre a realidade matrimonial: Segundo Efésios (2, 22-32) o matrimônio humano deve seguir e espelhar-se no matrimônio realizado por Cristo para com a sua esposa, a Igreja. O esposo deve amar à sua mulher como Cristo amou à Igreja e se entregou por ela, para apresentá-la sem mancha, nem ruga, santa e irrepreensível; deve amá-la como a si mesmo, como ao seu próprio corpo.

*Mistério, segundo São Paulo, e a natureza do mistério não é tanto a compreensão dele, mas a sua vivência.
Bento XVI. Jesus de Nazaré. Cidade do Vaticano: Rizzoli. 2007.

 

Quer saber mais sobre a Palavra de Deus?

Temos um convite particular para você que quer se aprofundar no conhecimento da Sagrada Escritura: fazer conosco um percurso breve e simples, mas consistente e seguro de conhecimento da Bíblia. É o curso “Introdução à Sagrada Escritura” da Série Philippos. A Série Philippos é uma linha de cursos de formação doutrinária católica, que tem como base o Catecismo da Igreja Católica e a forma própria do Carisma Shalom, cujo objetivo é formar a pessoa no conhecimento da fé, proporcionando-lhe uma base para que possa crescer na sua experiência pessoal com a Verdade do Evangelho e amadurecer na fé.

Este itinerário é feito com o livro, que pode ser adquirido na livrariashalom.org , e também com as formações em vídeo, disponíveis na plataforma videocomshalom.org.

[Clique aqui e adquira o 1º volume da série]

Para ter acesso ao curso Introdução às Sagradas Escrituras na plataforma videocomshalom.org  [CLIQUE AQUI]

Continue lendo: 

Qual a diferença entre a Bíblia católica e protestante

 

Esteban Gomez, Missionário da Comunidade de Vida


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *