Formação

O que é Quaresma?

A quaresma é um tempo litúrgico especial, no qual a Igreja se prepara para celebrar o mistério mais importante da fé cristã: o mistério pascal. Inicia-se na quarta-feira de cinzas e finaliza na Semana Santa.

comshalom

O nome deste tempo litúrgico indica a sua duração: quarenta dias, que faz referência aos quarenta dias que Jesus passou no deserto antes de iniciar a sua missão pública (cf. Mt 4,1-11).

Ora, o número quarenta tem um alto valor simbólico na linguagem bíblica: nos tempos de Noé, o dilúvio durou quarenta dias (cf. Gn 7,12); ainda no Genesis, Isaac tinha quarenta anos quando casou com Rebeca (cf. Gn 25,20); Esaú tinha quarenta anos quando casou com Judite e Basemat (Gn 26,34); Moisés passou quarenta dias em oração no monte Sinai antes de receber as Tábuas da Lei (Dt 9,9-11) e conduziu o povo de Israel durante quarenta anos no deserto até chegar na Terra prometida; Moisés viveu cento e vinte anos (cf. Dt 34,7) e, mais tarde, Estevão divide esses anos em três etapas (cf. At 7,20-40): quarenta anos no Egito, quarenta como pastor em Madiã e quarenta no deserto; os doze espiões de Israel exploraram a terra de Canaã durante quarenta dias (cf. Nm 13,25); um castigo israelita mandava os culpados receberem exatamente quarenta açoites (cf. Dt 25,3);

Golias desafiou os israelitas por quarenta dias (1Sm 17,16) até ser vencido por Davi; Davi reinou por quarenta anos (cf. 1Rs2,11), o mesmo período que seu antecessor Saul (cf. At 13,21) e que seu filho Salomão (cf. 1Rs 11,42); O profeta Elias passou quarenta dias jejuando no deserto antes de se encontrar com Deus no Horeb (cf. 1Rs 19,8); Jonas anunciou que Nínive seria destruída aos quarenta dias (cf. Jn 3,4).

No Novo Testamento, Jesus foi apresentado no Templo aos quarenta dias do seu nascimento como ordenava a Lei (cf. Lc 2,22; veja também Lv 12). Ainda, entre a Ressurreição e a sua Ascensão, Jesus continuou aparecendo e instruindo os apóstolos durante quarenta dias. Em relação à quaresma, deve-se afirmar que o sentido do número quarenta conserva a mesma intenção que levou Jesus a retirar-se no deserto antes da sua missão: preparação.

Espiritualidade

A espiritualidade da quaresma é marcada pelo convite ao arrependimento e conversão. É com esta intenção que na inauguração do tempo quaresmal, durante o rito da imposição das cinzas é proferida a fórmula: “convertei-vos e crede no Evangelho”.

É um tempo propício para fazer penitência. A penitência é definida pelo Catecismo como uma reorientação radical da vida por inteiro, um regresso, uma conversão a Deus de todo o coração, que comporta uma ruptura com o pecado, uma aversão ao mal, com repugnância pelas más ações cometidas, e que implica, simultaneamente, o desejo e o propósito de mudar de vida, com a esperança da misericórdia divina e a confiança na ajuda da sua graça (cf. CIC 1431).

Jejum, esmola e oração

A penitência interior tem diversas expressões, dentre as quais três sobressaem de forma particular:

1- O jejum consiste na privação voluntária (cf. CIC 1438) de certo bem prazeroso com a intenção de mortificar a carne concupiscente e dar espaço à vida nova gerada pela graça; comumente é referido a alimentos, contudo, não é exclusivo a este campo; é possível fazer de jejum de outras coisas, como internet, redes sociais, murmuração, entre outros.

2- A esmola consiste em renunciar a um bem lícito próprio e dá-lo gratuitamente a outro, nos empobrecendo e enriquecendo o outro com a nossa partilha. A esmola é movida pela caridade, que leva a dar acima daquilo que a estrita justiça me obriga a dar. Isso significa que a esmola não comporta dar o supérfluo, ou seja, aquilo que sobra, mas aquilo que é justo que eu possua e cuja falta significará um empobrecimento. O Papa Francisco diz a este respeito: “A caridade é o impulso do coração que nos faz sair de nós mesmos gerando o vínculo da partilha e da comunhão.” (Mensagem para a Quaresma 2021).

3- A oração é o cultivo da amizade com Deus. No tempo da quaresma o cristão é convidado a adentrar mais profundamente neste diálogo divino, investindo tempo e esforços para rezar mais e melhor. O Santo Padre convida: “No recolhimento e oração silenciosa, a esperança é-nos dada como inspiração e luz interior, que ilumina desafios e opções da nossa missão; por isso mesmo, é fundamental recolher-se para rezar (cf. Mt 6, 6) e encontrar, no segredo, o Pai da ternura.” (Mensagem para a Quaresma 2021).

Todos os cristãos somos convidados durante a quaresma a praticar estas três formas excelentes de penitência. É importante que elas sejam realizadas com a retidão de um coração que busca sinceramente converter-se a Deus, e com discrição, a fim de que elas nos levem a procurar ser vistos pelo “Pai que vê no segredo” e não pelos homens (cf. Mt 6,1-6.16-18).


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *