Formação

Paixão e sentido no sofrimento: Como abraçar a Cruz com ternura

Será que já temos uma determinada determinação?

comshalom

Não é o que esperamos. Usualmente, não prevemos. Mas o fato é que o sofrimento também bate à nossa porta e é ai que precisamos abraçar a cruz. Ele vem despir as nossas certezas e retirar os nossos resquícios de orgulho. Aceitar o sofrimento como circunstância da vida nos insere na realidade inegável: somos fracos, precisamos uns dos outros e temos um corpo mortal, ferido e limitado. As nossas chagas abertas só serão fonte de vida no madeiro da Cruz — ali, nenhum sofrimento é infértil, porque nada é estéril quando ofertado com amor.

Reconhecer a nossa condição miserável com uma contrição perfeita, é essencial para que possamos trilhar o caminho até o calvário com ternura. Aceitar o sofrimento de cabeça erguida — ao contrário do que muitos pensam —, não é amar a dor e desejar cultiva-la: é sinal de maturidade de quem entendeu a dinâmica da vida, que é Cruz e ressureição.

Quando tocamos na biografia daqueles que deixaram um legado na humanidade, a começar pelo Verbo encarnado, o Homem por excelência — Cristo Jesus —, percebemos que eles não fugiram do sofrimento. Grandes homens e mulheres que  marcaram a história foram capazes de aceitar as dores de seus respectivos tempos e de corresponder ao que lhes era proposto de forma corajosa, jamais retendo a doação incondicional de suas vidas. E mesmo em meio às lágrimas e às dores que uma vida encarnada comporta, desistir nunca foi uma opção para estes verdadeiros heróis da fé.

Segundo Viktor Frankl, neuropsiquiatra austríaco que sobreviveu aos campos de concentração durante a 2ª Guerra Mundial, a nossa orientação no mundo acontece quando: 1. Amamos alguém. 2. Servimos um ideal. 3. Aceitamos o sofrimento inevitável da vida, ou quando abraçamos a Cruz. Para o médico, que passou por momentos degradantes enquanto esteve confinado, a esperança nasce mediante estas três condições humanas inegociáveis, que partem de uma decisão pessoal aliada à graça divina.

Viktor, que tem muito a nos ensinar neste tempo de isolamento social a como abraçar a cruz, ele relembra em uma de suas frases célebres que “Tudo pode ser tomado do homem, exceto uma coisa: a última das liberdades humanas – a escolha da atitude pessoal diante de um conjunto de circunstâncias – para decidir seu próprio caminho”. 

Assim Cristo o fez. Obediente, manso e humilde, caminhou até a Cruz. Condenado injustamente, não buscou ter direitos, antes, aceitou a circunstância que lhe foi imposta. Decidiu, com ousadia, transformar o triste destino da humanidade — que desembocava na morte e na perdição —, para devolver a salvação eterna para nós, os seus filhos muito amados.

Que neste tempo tão desafiador, nós possamos abraçar as nossas circunstâncias a partir da liberdade grandiosa que nos foi dada — só assim alcançaremos a estatura de Cristo.

A Cruz não é símbolo de derrota — antes, é o nosso ponto de partida. Chegou a hora de abraçá-la com determinada determinação.

SAIBA MAIS 

 
 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *