Igreja

Papa Francisco: A mornidão espiritual transforma a nossa vida num cemitério

Peçamos ao Senhor a graça de não cair neste espírito de “cristãos pela metade”, disse o Papa Francisco na homilia da missa celebrada na Casa Santa Marta, ao comentar o livro do profeta Ageu.

comshalom

O Papa Francisco celebrou na manhã desta quinta-feira (26/09) a missa na capela da Casa Santa Marta e, na homilia, comentou a Primeira Leitura proposta pela liturgia do dia, extraída do livro de Ageu.

Trata-se de um texto forte, em que, através do profeta, o Senhor pede ao povo que reflita sobre o seu comportamento e o mude para reconstruir a Casa de Deus.

Um povo que não confia e não quer arriscar

Ageu, disse o Papa, buscava agitar o coração do povo preguiçoso e resignado a viver como derrotado. O Templo havia sido destruído pelos inimigos, tudo estava em ruínas e aquele povo havia passado os últimos anos assim, até que o Senhor envia o seu eleito para reconstruir o Templo”.

Mas o coração dessas pessoas estava amargurado e não tinham vontade de trabalhar. Diziam: “Mas não, para quê, talvez é uma ilusão, melhor não arriscar, vamos ficar assim …”. Aquelas pessoas, prosseguiu, “não tinham vontade de se levantar, não se deixavam ajudar pelo Senhor que queria resgatá-los”, com a desculpa de que o tempo certo ainda não havia chegado.

E este é o drama dessas pessoas, e também o nosso, quando somos tomados pelo espírito de tepidez, quando vem aquela mornidão da vida, quando dizemos: “Sim, sim, Senhor, tudo bem… mas com calma, calma, Senhor, vamos deixar assim … Amanhã eu faço!”, para repetir o mesmo amanhã e amanhã adiar para depois de amanhã e depois de amanhã adiar ainda… e assim, uma vida para adiar decisões de converter o coração, de mudar de vida…

A mornidão espiritual é “a paz dos cemitérios”

É uma tepidez, afirmou Francisco, que muitas vezes se esconde atrás de incertezas e, enquanto isso, é adiada. E assim muitas pessoas desperdiçam a sua vida e acabam “como um farrapo porque não fizeram nada, só mantiveram a paz e a calma dentro de si”. Mas esta é “a paz dos cemitérios”.

Quando nós entramos nesta tepidez, nesta atitude de mornidão espiritual, transformamos a nossa vida em um cemitério: não há vida. Há somente fechamento para que não entrem os problemas, como essas pessoas que “sim, sim, estamos nas ruínas, mas não arriscamos: melhor assim. Já estamos acostumados a viver assim”.

O Senhor pede hoje a nossa conversão

O Papa advertiu que tudo isso acontece também a nós “com as pequenas coisas que não vão bem, que o Senhor quer que mudemos”. Ele nos pede a conversão e nós respondemos: amanhã. Eis o convite à oração:

Peçamos ao Senhor a graça de não cair neste espírito de “cristãos pela metade” ou, como dizem as velhinhas, “cristãos de água de rosas”, assim, sem substância. Cristãos bons, mas que trabalham tanto – semearam muito, mas colheram pouco. Vidas que prometiam muito e, no final, não fizeram nada.

Que o Senhor nos ajude, concluiu o Papa, a “nos despertar do espírito de tepidez” e a lutar contra “esta anestesia suave da vida espiritual”.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *