Formação

Solenidade de Todos os Santos

comshalom

todos-os-santosA solenidade em honra de todos os Santos é uma das mais antigas. Foi, porém,o Papa Gregório IV que em 835 quem ordenou que esta festa fosse celebrada no mundo inteiro. Trata-se de comemorar a memória de todos aqueles que já se acham no reino do céu, partilhando a alegria de Deus. Nesta data se coloca a questão: Que é um santo? No exórdio do Sermão da Montanha Jesus fez o retrato falado dos eleitos, dos bem-aventurados ( Mt 5,1-12). A fonte desta santidade é Deus, três vezes santo (Is 6,3). É impossível expressar com palavras a santidade divina que transcende infinitamente todas as criaturas. O ser pensante pode e deve participar, dentro de suas limitações, desta perfeição inefável do Criador que ordenou: “Sede santos, porque eu sou santo” (Lev 11,44). O salmista oferece também um roteiro admirável para seguir este preceito divino: “Senhor, quem há de morar em vosso tabernáculo? Quem habitará em vossa montanha santa? O que vive na inocência e pratica a justiça, o que pensa o que é reto no seu coração, cuja língua não calunia; o que não faz mal a seu próximo, e não ultraja seu semelhante. O que tem por desprezível o malvado, mas sabe honrar os que temem a Deus; o que não retrata juramento mesmo com dano seu, não empresta dinheiro com usura, nem recebe presente para condenar o inocente. Aquele que assim proceder jamais será abalado” (Sl 14).

A santidade consiste, portanto, numa adesão total às sagradas leis divinas numa atitude inteiramente voltada para Deus. Para o batizado se trata de uma vida nova em Cristo animada pelo Espírito Santo. Entretanto, cumpre se observe que não há santidade sem se passar pelo Calvário. O cristão santo tem que se mortificar oração numa série de esforços perfeitamente positivos e sob o impulso de ardente amor ao Ser Supremo. Amar é preferir, ou seja, sacrificar as preferências próprias, para acatar as propostas do Criador. Amar é o sair de si mesmo para o outro, isto é, para Deus e para o próximo. Amar a todos como Jesus os ama, ou seja, com uma dileção pessoal até o sacrifício. É o sentir o irmão na fé, dando-lhe espaços, ajudando-o a carregar o fardo de cada hora. Tudo isto sob os acordes do belo hino entoado por São Paulo: “A caridade é paciente, é benigna; a caridade não é invejosa, não se ufana, não se ensoberbece, não é ambiciosa, não busca os seus próprios interesses, não se irrita, não suspeita mal. Não folga com a injustiça, mas alegra-se com a verdade. Tudo desculpa, tudo crê e, tudo espera, tudo suporta” (1 Cor 13,4-7).

Os santos que já estão na pátria celeste realizaram de maneira excelente aquilo que todo cristão deve sempre praticar, se estiver cônscio de sua vocação. Para que isto aconteça cumpre deixar o Espírito Santo agir. Ele confere a toda ação a qualidade espiritual que leva cada um a progredir sempre nos caminhos da perfeição. Assim sendo, as tarefas são serenamente executadas. Ser santo não é ficar rezando o tempo todo, mas, tendo cada um reservado momentos para suas preces individuais ou comunitárias, é transformar os demais atos diários, ainda os mais absorventes, em oração. A atividade nos múltiplos afazeres também enriquecem a espiritualidade e faz crescer na graça santificante. É mister captar a espiritualidade que está inerente na própria atividade, mesmo porque em qualquer circunstância cada um está a serviço do outro. É só dar uma aplicação transcendental ao que se está realizando sob o impulso do amor a Deus e ao próximo, dando qualidade sobrenatural àquilo que se faz. Em outros termos, é de vital importância a encarnação da espiritualidade na ação, o que conduz a um crescimento na santidade existencial. Isto bem dentro da diretriz do Apóstolo: “Quer comais ou bebais, ou façais qualquer outra coisa, fazei tudo para a glória de Deus (1 Cor 10,31).

É no cotidiano, nas mais pequeninas atividades que se opera a santificação pessoal daqueles que acreditam em Cristo. Eis por que todos os que permanecem fiéis, firmes na sua fé, arraigados na esperança, perseverantes na caridade, podem ser considerados como santos. Este deve ser o ideal de todo cristão, não sendo isto uma honra reservada apenas a alguns privilegiados. O importante é estar movido pelo espírito de Jesus e este espírito não deixa que se esteja longe da participação da vida de Deus e aí está já configurada a salvação. Não há distinção entre ser salvo e ser santo. É preciso ser santo para ser salvo. Todas estas verdades devem ser aprofundadas no dia dedicado àqueles que já estão na Jerusalém celeste, para que não se perca o rumo da Casa do Pai.

Fonte: Catolicanet

 Formação: Outubro/2007

01.11Este livro coloca ao alcance do leitor, dia a dia, um exemplo vivo e concreto de um herói que devemos venerar, e na modesta medida de nossas insuficiências imitar. Habitue-se, prezado leitor, a todas as manhãs procurar saber qual é o Santo do dia. Você poderá invocá-lo em suas aflições, em suas necessidades, ao longo de toda jornada.

Adquira o seu [AQUI]


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *