Formação

A Sucessão apostólica e o governo dos Bispos

comshalom

    “Atendei ao Bispo, para que Deus vos atenda. Ofereço minha vida paraos que se submetem ao Bispo, aos presbíteros e aos diáconos. Possa eu,com eles, ter parte em Deus. Trabalhai uns com os outros e, unidos,combatei, lutai, sofrei, dormi, despertai, como administradores,assessores e servidores de Deus. Procurai agradar Àquele sob cujasordens militares e do qual recebeis vosso soldo. Não se encontre entrevós nenhum desertor. Que o vosso Batismo seja como escudo, a fé comoelmo, o amor como lança, a perseverança como armadura. Atendei aoBispo, como Jesus Cristo segue o Pai, e aos presbíteros como aosapóstolos; respeitai os diáconos como à lei de Deus. Sem o Bisponinguém faça nada do que diz respeito à Igreja. Onde aparece o Bispo,aí esteja a multidão, do mesmo modo onde está Jesus Cristo, aí está aIgreja Católica. É bom reconhecer a Deus e ao Bispo. Quem respeita oBispo é respeitado por Deus; quem faz algo às ocultas do Bispo, serveao diabo.” (Santo Inácio de Antioquia aos Esmirniotas p. 118 e aPolicarpo p. 123 – Padres Apostólicos – Paulus – São Paulo – 2002)


    Cristo Nosso Senhor, para apascentar e aumentar continuamente o Povo deDeus, instituiu na Igreja diversos ministérios, para bem de todo ocorpo. Com efeito, os ministros que têm o poder sagrado servem os seusirmãos para que todos os que pertencem ao Povo de Deus, – e por issopossuem a verdadeira dignidade cristã,- alcancem a salvação,conspirando livre e ordenadamente para o mesmo fim. Neste tempo dainstituíção da Igreja, conta-nos o apóstolo Marcos que uma grandemultidão O seguia, quando Ele decidiu subir ao monte e chamar parajunto de Si, aqueles que dariam continuidade a implantação de seu Reinoque Ele adquirira a preço de Seu sangue. Muitos eram os discípulos, masescolheu somente doze deles – mostrando que a vocação é uma iniciativadivina – para a tarefa específica de Apóstolos (cf. Mc 3, 13-19), quequer dizer: “enviados”. Por isso Jesus mais tarde diz: “Não fostes vósque Me escolhestes a Mim, mas Eu que vos escolhi a vós”(Jo 15,16). Estaescolha de doze apóstolos tem um profundo significado, pois o seunúmero corresponde ao dos doze Patriarcas de Israel, e os Apóstolosrepresentam o novo povo de Deus, a Igreja, fundada por Cristo Jesus quequis assim por em relevo a continuidade entre o Antigo e o NovoTestamento. Eles são as colunas sobre as quais Cristo edifica a Igreja.A própria designação dos Doze mostra que formam um grupo determinado ecompleto.

    Sendo Ele a Pedra Angular e Pedro o chefe visível de Sua Igreja,chamou-os para levar sua mensagem a todos aqueles que os escutassem,fazendo-os discípulos, santificando-os e governando-os com o poder dopróprio Espírito de Deus, que foi derramado sobre eles no dia dePentecostes, confirmando assim sua missão, dando-lhes poder para seremde fato testemunhas fieis da Ressurreição do Senhor e constituindo-osverdadeiros servos de Cristo em prol deste povo escolhido. Esta missãoque lhes incumbiu, tem a garantia de durar até ao fim dos tempos, poispara levá-la a cabo, o próprio Cristo Glorioso promete acompanhar SuaIgreja e não abandoná-la. (Toda autoridade Me foi dada no céu e naterra […] Eis que estou convosco todos os dias até o fim do mundo. Mt28,18.20) “Quando na Sagrada Escritura se afirma que Deus está comalguém, quer-se dizer que este terá êxito nas suas empresas. Daí que aIgreja, com a ajuda e a assistência do Seu Fundador divino, está segurade poder cumprir indefectivelmente a sua missão até ao fim dos séculosque será, em última análise, de ensinar aos homens as verdades acercade Deus e a exigência de que identifiquem essas verdades, ajudando-ossem cessar com a graça dos sacramentos, instituídos por Cristo”.(Bíblia de Navarra – Evangelho de Mateus – p.443)

    Ainda no estabelecimento de Sua Igreja, o Senhor, além de chamarseus escolhidos, instituiu os Sacramentos para administrar as graçasque Ele havia adquirido na Cruz, para aqueles que haveriam de crer eaderir à Sua mensagem de salvação, sendo estes guardados eadministrados por esta mesma e única Igreja, através destes escolhidos,a fim de levar adiante a missão de formar um povo santo, um reino desacerdotes e uma nação consagrada para Deus.(Êxodo 19,6). Dentre ossete sacramentos, havia um – o da ordem – que capacitava e capacita o“ordenado a configurar-se a Cristo em virtude de uma graça especial doEspírito Santo, para que fosse instrumento de Cristo a serviço da SuaIgreja. Graças a este sacramento, a missão confiada por Cristo aos seusApóstolos continua a ser exercida até ao fim dos tempos: ele éportanto, o sacramento do ministério apostólico, o que confere um domdo Espírito Santo, que o permite exercer um poder sagrado, que pode virsó de Cristo mediante a Igreja. O enviado do Senhor fala e atua não porautoridade própria, mas em virtude da autoridade de Cristo; não comomembro da comunidade, mas falando a ela em nome de Cristo. Ninguém podeconferir a si mesmo a graça; ela deve-lhe ser dada e oferecida. Istosupõe ministros da graça, por Cristo ornados de autoridade e aptidão. Osacramento do ministério apostólico comporta três graus. O ministérioeclesiástico, de instituição divina, é exercido em ordens diversas poraqueles que desde antigamente são chamados bispos, presbíteros,diáconos..(”De diaconatu permanenti” – Declaração da Congregação doClero em conjunto com a Congregação da Educação Católica – 22 fev 1998- Sua Santidade João Paulo II)

Por Ana Maria Bueno Cunha


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *