Igreja

“Cada tempo tem sua própria pobreza a ser levada em conta”, afirma o Papa

As palavras do Santo Padre nos convidam a não esquecer, dentre os pobres, tanto dos migrantes que, por fome ou guerra, são obrigados a partir em meio a dificuldades e sacrifícios de seu próprio país e de suas próprias casas, como também dos desempregados, dos explorados, dos últimos da terra.

comshalom

Na apresentação da Mensagem do Papa Francisco para o próximo V Dia Mundial do Pobre, celebrado dia 14 de novembro deste ano, recordamos as palavras dos Papas do passado que confirmam o amor especial pelos últimos da Terra.

Pio XII

Em meados do século passado, “o doloroso coro dos pobres e oprimidos”, como os definia Pio XII, era formado principalmente por vítimas diretas ou indiretas da II Guerra Mundial, concluída recentemente. Na radio mensagem do Natal de 1952 o Papa Pio XII afirmava:

São muitos e muitos estes amados filhos! O doloroso coro de orações e invocações por ajuda, longe de marcar a diminuição que o número não desprezível de anos que passaram desde o fim do conflito mundial. Um fim de guerra que justificadamente nos levou a esperar melhoras continuamente e às vezes com maior intensidade devido às necessidades urgentes e múltiplas, erguendo-se em nossa direção, pode-se dizer, de todas as partes do mundo e despedaçando nosso coração por tudo o que revela angústia e lágrimas. Uma triste experiência nos ensinou agora que, mesmo quando chega a notícia de uma melhoria nas condições gerais de um determinado país, é preciso estar preparado para o anúncio de talvez novas calamidades em outro, com novas misérias e novas necessidades. Por muito que possa ser sobrecarregado, nosso coração pelas dores incessantes de tantas filhos, a palavra do Divino Mestre recorda: “Não se perturbe nem se intimide vosso coração…vou e retorno a vós (Jo 14, 27-28).

Papa João XXIII

Pouco mais de dez anos depois, em um mundo seduzido por uma rápida recuperação econômica, o Papa João XXIII nos lembra que nem todos desfrutam de prosperidade fácil e que, de fato, as razões para a perplexidade permanecem. Radio mensagem para a Quaresma de 1963:

É daqui que pode ser reconhecido o cristão sincero e forte: somente a partir de uma conduta austera, que vive e aplica a pobreza e a renúncia ensinadas por Nosso Senhor Jesus Cristo, a ordem doméstica e social pode receber um impulso decisivo para uma renovação na verdade, na liberdade dos filhos de Deus, na mais verdadeira e profunda justiça, porque é capaz de tirar de si mesmo e dar aos pobres e deserdados. (…) Isaías adverte: (…) Repartires o teu pão com o faminto, recolheres em tua casa os pobres e desabrigados, vestires aquele que vês nu e não te esconderes daquele que é tua carne. A tua luz romperá como a aurora, a cura das tuas feridas se operará rapidamente, a tua justiça irá à tua frente e a glória do Senhor irá à tua retaguarda” (Is 58, 6-8).

Paulo VI

Gradualmente, na segunda metade do século passado, a pobreza tornou-se sistêmica e começou a oferecer ideias para uma reversão das estruturas sociais e produtivas, assim como uma “refundação” da caridade cristã. Paulo VI, o Papa da Populorum Progressio, no dia 5 de outubro de 1965, informou aos padres conciliares sobre sua visita às Nações Unidas no dia anterior:

De justiça tem o mundo grande necessidade, e de justiça quer Cristo que sintamos fome e sede. E nós sabemos que a justiça é progressiva, e que, à medida que a sociedade progride, torna-se mais profundamente consciente da sua imperfeita composição, vindo então à luz os gritos e os clamores suscitados pelas desigualdades que continuam a atormentar a humanidade. Não é o fato de se verificarem desigualdades entre classe e classe, entre nação e nação, a mais grave ameaça feita à paz? Todas estas coisas são bem conhecidas. E, agora, elas convidam-nos a reconsiderar o que podemos fazer para as remediar. As condições em que se encontram as populações em vias de desenvolvimento devem ser objeto da nossa consideração —  ou, digamos com mais propriedade, da nossa caridade em relação aos pobres do mundo, que se contam por legiões —  devendo-nos tornar mais atentos, mais ativos, mais generosos.

João Paulo I

“Tornemo-nos cada vez mais conscientes. No dia 10 de setembro de 1978, durante o Angelus, o João Paulo I vê as reflexões desta nova caridade possível também na política internacional…

Em Camp David, nos Estados Unidos, os Presidentes Carter e Sadat e o Primeiro Ministro Begin estão trabalhando pela paz no Oriente Médio. Todos os homens têm fome e sede de paz, especialmente os pobres, que e nas agitações nas guerras são os que mais pagam e sofrem.

João Paulo II

A partir deste período, os Papas começam a se dirigir diretamente aos interessados. Em pé de igualdade, digamos. Em 3 de janeiro de 1988, João Paulo II encontrou os pobres do Asilo Santa Marta e almoçou com eles, saudando-os em seguida: 

Tentei me aproximar de cada um de vocês e, pelo menos brevemente, falar com cada um de vocês. Conheci a difícil situação em que vocês se encontram, especialmente por causa da falta de trabalho: este é um grande problema do nosso tempo, um problema social que certamente deve ser enfrentado por toda a sociedade, mas a Igreja também tenta fazer o possível. Encontrando essas pessoas sem trabalho e muitas vezes não só sem trabalho, mas sem os meios para viver, comer, dormir, muitas vezes sem casa, fiz uma breve investigação e surgiram as coisas mais fundamentais da existência humana. Naturalmente não pude dar uma resposta imediata e, menos ainda, uma solução para estas situações difíceis, mas acima de tudo tentei conhecer; veremos então, com nossos colaboradores, especialmente com os que têm demonstrado tanta generosidade até agora, como remediar. Não é possível encontrar uma solução geral porque cada pessoa tem uma situação diferente, problemas diferentes e também necessidades diferentes: por isso temos de procurar uma solução, caso a caso, pessoa a pessoa….

Bento XVI

Um exemplo decisivo no exercício da solicitude pelos pobres, imagem de Jesus, vem de uma pequena irmã. Madre Teresa de Calcutá. O Papa Bento XVI a recordou, cem anos após seu nascimento, durante um almoço com os pobres, hóspedes nas casas romanas dirigidas pelas Missionárias da Caridade:

Celebrar 100 anos do seu nascimento é motivo de gratidão e de reflexão para um renovado e jubiloso empenho ao serviço do Senhor e dos irmãos, especialmente dos mais necessitados. O próprio Senhor queria ser necessitado, como sabemos. Queridas Irmãs, a caridade é a força que muda o mundo, porque Deus é amor (cf. 1 Jo 4, 7-9). A beata Teresa de Calcutá viveu a caridade para com todos sem distinção, mas com uma preferência pelos mais pobres e abandonados: um sinal luminoso da paternidade e da bondade de Deus. Soube reconhecer em cada um o rosto de Cristo, por ela profundamente amado: o Cristo que ela adorava e recebia na Eucaristia continuava a encontrá-lo pelas ruas da cidade, tornando-se “imagem” viva de Jesus que derrama sobre as feridas do homem a graça do amor misericordioso.

Veja também: 

Shalom Amigo dos Pobres, uma resposta de amor aos mais necessitados


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *