Shalom

Escada do Advento: o caminho da kênosis de Cristo

Dois ícones estão mais presentes na ornamentação dos espaços sagrados no período do Advento: o Pantokrator e a Virgem do Sinal. Entenda o sentido.

comshalom

A iconografia faz parte da espiritualidade da Comunidade Católica Shalom e, no tempo do Advento, dois ícones se tornam mais presentes na ornamentação dos espaços sagrados: o Pantokrator e a Virgem do Sinal. Segundo a iconógrafa Guadalupe Monteiro Cabral, o ícone da Virgem do Sinal é um dos que melhor expressam a espiritualidade do tempo de preparação para Natal, e o do Cristo Pantokrator vem somar na simbologia para a elaboração da Escada do Advento. 

| Leia também: Presépio: admirável sinal de Deus aos homens

Muito usada na preparação dos espaços sagrados nesse período, a Escada do Advento é composta de quatro degraus que remetem às quatro semanas do tempo de preparação para o Natal. Estes dois ícones compõem a Escada, que é montada da seguinte forma: no topo, o Pantokrator; na base, a Virgem do Sinal; e a cada degrau, uma vela (três roxas e uma rosa – domingo Gaudete).

Escada do Advento na Capela Manjedoura da Paz em Fortaleza – CE

“A cada semana acende-se uma vela, de cima para baixo, simbolizando o movimento de descida de Jesus, sua kênosis. O Deus que se encarnou no seio da Virgem Maria e se fez homem, o Emanuel, o Deus conosco. Por isso usamos esses dois ícones que expressam bem esse mistério da descida e encarnação do Verbo no ventre da Virgem Maria. É belo ver a cada semana, ao acender das velas de forma descendente, aquela imagem de Cristo Pantokrator (Deus e Senhor de todas as coisas) que vai nos revelando o abaixar-se de Deus até o homem e, para nossa salvação, se encarnou pelo Espírito Santo no seio da Virgem Maria (a Virgem do Sinal, que traz um bebê no ventre). Deus e homem. O mistério que o Advento vai nos apontando até culminar com o Natal do Senhor” explica Guadalupe.

Para contemplar melhor os ícones:

Pantokrator

No ícone do Pantokrator, Cristo aparece como criador de tudo que existe, junto com o Pai e o Espírito Santo. Como explica São Paulo: “Ele é a imagem do Deus invisível, o Primogênito de toda a criatura, porque nele foram criadas todas as coisas, nos céus e na terra…” (C1 1, 15-16).

Segundo a iconógrafa Fátima Epifânio, o Pantokrator é aquele que tudo governa, que tudo contém, o onipotente. “O Pantokrator é, por excelência, a imagem de nossa humanidade, resgatada e restaurada por Cristo e exaltada, Nele e por Ele, à glória suprema da Divindade, pela união hipostática das naturezas divina e humana, na única pessoa do Verbo, Filho de Deus” (Donadeo, Maria, p.82)

No ícone, Cristo aparece com o Evangelho na mão esquerda e abençoando com a mão direita. A posição dos dedos da destra revela os mistérios básicos da fé: Deus uno e trino e as duas naturezas de Cristo (divina e humana).

Os diagramas obrigatórios IC XC, um de cada lado da cabeça, identificam liturgicamente o ícone sendo de Jesus Cristo (IC XC = Jesus Cristo). A auréola crucífera tem uma cruz inscrita com as três letras que revelam o nome sagrado de Deus: “Aquele que é”.

A fronte ampla indica a inteligência viva que tudo abrange do Verbo de Deus. O nariz reto, afilhado e alongado contribui para realçar a impressão da soberana beleza que emana do Pantokrátor. Os lábios são rubros, sutis e fechados, em silêncio sapiencial. As orelhas são pequeninas, mas bem visíveis e mostram uma atitude vigilância de escuta.

No Pantokrátor, Jesus tem um olhar vivo e penetrante que encara frontalmente o espectador. As arcadas superciliares, bem traçadas, contribuem para acentuar a força do olhar. O pescoço robusto e inflado significa a presença do Espírito Santo, como um sinal de que Jesus Cristo está para soprar o Espírito, conforme se lê em Jô 20,22: “Recebei o Espírito Santo!” ( Damasceno, 2003).

Virgem do Sinal

O ícone da Mãe de Deus “Virgem do Sinal” representa Maria e no seu seio virginal o menino Deus. Maria é representada de pé, inteira ou a meio-busto, tendo os braços erguidos em oração e com o Menino Jesus brilhando sobre seu seio. Jesus está envolvido em uma mandorla, palavra italiana que significa “amêndoa” e representa a glória Divina. “A tradição tem visto nesse ícone uma imagem da profecia do profeta Isaías: ‘Por isso, o Senhor mesmo vos dará um sinal: eis que a jovem mulher está grávida e vai dar à luz um filho e lhe dará o nome Emmanuel’ (Is 7,14) É o ícone Mariano estritamente ligado ao tempo do Advento”, explica Guadalupe.

 “Este ‘sinal’, que é a concepção e o nascimento virginal do próprio Emanuel, é retomado por Mateus (1,23) e aplicado ao Filho de Maria. Por isso é chamada de Virgem do Sinal”, explica Fátima Epifanio. “Porque nasceu para nós um Menino, um filho nos foi dado. Ele tem a soberania sobre seus ombros e será chamado: Conselheiro admirável, Deus forte, Pai para sempre, Príncipe da Paz” ( Is 9,15).

Desejamos que pela contemplação dos ícones possamos melhor viver o tempo do Advento e expectantes em acolher e viver o assim viver e acolher o mistério do Natal do Senhor!

Onde está o Rei? Viemos adorá-lo

E visando essa grande oportunidade que o Senhor nos concede, a Comunidade Shalom preparou um grande retiro de aprofundamento e oração para o tempo do Advento, chamado “Onde está o Rei? Viemos adorá-lo”. Com esse itinerário, poderemos mergulhar mais profundamente nos mistérios da vida de Jesus e em Seu Evangelho, a fim de descobrir uma nova via de conversão e mudança de vida para cada um de nós. 

[Saiba mais na página especial de Advento]


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado.