Shalom

Fundações missionárias, pontes para a eternidade

O desejo de anunciar Jesus ressuscitado em todos os quatro cantos do mundo motivou o coração da Comunidade Católica Shalom como um eco daquilo que já estava no coração divino.

comshalom

No último mês de outubro, comemoramos o aniversário de fundação de cinco missões da Comunidade Católica Shalom. O desejo de anunciar Jesus ressuscitado em todos os quatro cantos do mundo motivou o coração de missionários como um eco daquilo que já estava no coração divino. 

Poderíamos perguntar: Como nascem as fundações? Como um Carisma se enraíza numa cultura? Quanto tempo é necessário para aprender a amar a terra de missão? 

>>Saiba onde estamos

Vale a pena ouvir o que nos diz Santa Teresa “ Nestas fundações quase nada foi o que fizeram as criaturas( F 13,7)” ou ainda ” é obra sua (de Deus)” (F 27, 12. 16;28.17). As missões de Budapeste, Roma, Nova York e Haifa testemunham a maravilhosa iniciativa divina e as graças abundantes de perseverança em seus diversos momentos de seu enraizamento. 

Evangelizar com simplicidade e humildade perante uma cidade “onipotente” como Nova York

Em 22 de outubro de 2020, foi fundada a Missão de Nova York a convite do bispo Nicholas di Marzio, da Arquidiocese do Brooklyn. Os cinco missionários de diversas nacionalidades – Brasil, México e França – se dedicam à evangelização de forma integral em grupos de oração, na preparação de retiros espirituais e eventos, além de  outras atividades. 

Estas palavras “simplicidade e humildade” representam fragilidade e pequenez. São duas palavras paradoxais para uma cidade como Nova York?


Eles podem ser uma grande contradição, mas os missionários Shalom as veem como palavras de sabedoria para seu trabalho de evangelização. Eles percebem que as pessoas são atraídas pelo que causa esplendor. Mas, ao mesmo tempo, a simplicidade atrai. É atraente ver aqueles que têm uma fé forte vivendo como irmãos e irmãs, como pessoas humildes que dão de graça o que de graça receberam. 

Numa cidade onde todos correm, encontrar um missionário que está disponível e tem tempo não só para falar, mas para te ouvir, chama a atenção. Os missionários se veem como servos fracos e pecadores do Senhor, mas ao mesmo tempo, contando com a grandeza de Deus, se sentem com a grande responsabilidade de tentar estar mais disponíveis. Estar perto do povo de Deus como amigos. 

Em tal cidade, é preciso ser criativo. O Espírito Santo é o maior protagonista da criatividade. Nesta metrópole, tudo é organizado com muita qualidade, intensidade e criatividade. Portanto, todas as ideias e ousadia para a evangelização desta cidade precisam vir do Espírito de Deus. Ele é o santificador, consolador, inflamador, curador de todos os corações atribulados.

A Comunidade Católica Shalom em Williamsburg experimenta que as pessoas têm muita sede de Deus. Embora também seja uma realidade que muitos jovens não desejam ir à Igreja, cada vez que veem a alegria dos jovens missionários consagrados, ficam curiosos e se abrem para um momento de oração e de partilha.

Enfim, abrir novas veredas da vivência do Evangelho, válido para todos os tempos e lugares, resposta para cada coração humano. 

Se o grão de trigo não morrer, não pode gerar frutos – Budapeste 

Veterana em relação à Nova York, Budapeste acolheu há 12 anos atrás os primeiros missionários da Comunidade Shalom que chegaram a convite do Cardeal  Péter Erdő. Comprovaram, como de fato, se o grão de trigo não morrer não pode dar frutos.

A preparação para a chegada em Budapeste teve início na cidade de São Paulo (Brasil), onde puderam aproximar-se da comunidade húngara e tecer os primeiros laços com a cultura. 

A chegada no outono de 2009, foi surpreendentemente para eles – fossem pelas baixas temperaturas, seja pela aprendizagem da língua, desafios preliminares que foram superados graças ao acolhimento da Igreja e dos húngaros. “ Sentimo-nos acolhidos rapidamente, lembro que nos levaram para escolher roupas mais adequadas para o frio húngaro” recorda Carolina da Cruz uma das primeiras missionárias a se estabelecer em Budapeste

Anunciar a eterna novidade à cidade eterna – Roma

Os primeiros missionários da Comunidade chegaram em Roma em 15 de outubro de 1992, memória litúrgica de Santa Teresa D’Ávila, baluarte da vocação Shalom. Nestes 29 anos na cidade eterna, com criatividade a comunidade vem ganhando espaço no coração dos romanos, especialmente dos  jovens. Estes anos não faltaram ações de evangelização nas Igrejas, praças, nas ruas, junto a outros movimentos e com secretária diocesana para a Pastoral juvenil. 

De forma especial, a evangelização ganhou um novo impulso movido em grande parte por dois pequenos cenáculos. 

Em primeiro de outubro de 2009, memória litúrgica de Santa Teresinha do Menino Jesus, a Comunidade começou coordenar o Centro Internacional San Lorenzo, localizado no entorno da Praça de São Pedro e onde é custodiada a cruz da Jornada Mundial da Juventude. 

 Dentre as últimas iniciativas em vista da evangelização dos jovens foi inaugurada a Lanchonete SH 82. Esta iniciativa foi concebida em meio a um grande desejo de aproximar-se dos jovens mais distantes de Deus.

Da sua concepção até a inauguração transcorreu muito tempo, mas vivido em espírito de intercessão e discernimento. “A etapa mais difícil foi encontrar um lugar adequado – eram poucos os imóveis para aluguel e aqueles que se encontrava, seus donos não estavam disponíveis aceitarem o projeto”,  como relembra Valentina, uma das missionárias envolvidas no projeto. Depois de muita procura, uma antiga sorveteria próxima a San Lorenzo, tornou-se o SH 82, lugar destinado a promover o encontro com Jesus Ressuscitado em um ambiente onde o acolhimento e a alegria são o prato chefe. 

Shalom Haifa

A história do Carisma Shalom na Terra Santa começou em 25 de outubro de 2000, a convite do bispo Melquita da Galileia Pierre Mouallem, os dois primeiros missionários chegaram em Rami, vilarejo do norte de Israel, no qual foram vividos os primeiros tempos de adaptação e enculturação.  

Quatro anos mais tarde, já contando com a presença de mais missionários, a Comunidade foi convidada a mudar-se para a cidade de Haifa. Ali tiveram início os primeiros grupos de oração além do trabalho de assistência  em uma casa de repouso para idosos. 

A evangelização por meio da arte é uma via que vem se consolidando na Missão. Nesta direção  uma das iniciativas mais inovadoras é o Halleluya, festival de artes e música cujo objetivo é alcançar os jovens afastados da Igreja, cuja primeira edição na Terra Santa foi em 2010. 

Hoje os trabalhos de evangelização da comunidade incluem também a cidade de Shefa-‘Amr, no norte de Israel, conta com grupos de oração, peregrinações, “ quinta da paz”, noite dedicada a oração, louvor e partilha 

Por certo, uma fundação é feita da iniciativa e da graça divina, mas também de vidas que se ofertam por amor. O teu povo será o meu povo (Rt 1,16).  É feita de comunhão, bebendo da extraordinária riqueza da Igreja particular, se enraíza com humildade, em trabalho incessante da inteligência e do coração para desposar a terra que o Senhor confiou, é feita da partilha “não tenho nem ouro nem prata, mas o que tenho eu te dou”,  aquilo que recebemos do Ressuscitado compartilhamos. 

 


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado.