Formação

Mas afinal, o que está por trás da indústria do aborto?

Em nome dos “direitos individuais”, se espalha pelo mundo uma cultura de morte.

comshalom

Em 2004, São João Paulo II alertou o mundo sobre uma cultura de morte que estava sendo espalhada e legitimada pelo Estado em diversos países. Segundo o Pontífice, em nome dos “direitos individuais”, atenta-se contra a vida das pessoas, sobretudo dos mais inocentes.

Um número exorbitante e silencioso

A pergunta é: Se ficamos tão chocados quando vemos as imagens do Holocausto, por exemplo, por que não temos a mesma reação quando falamos destas vítimas inocentes ainda no ventre de suas mães, um verdadeiro holocausto silencioso?

Se juntarmos todos os assassinatos cometidos pelos ditadores e carrascos da humanidade – de Hitler a Stalin –, não chega à quantidade de abortos praticados em um único ano no mundo: Mais de 50 milhões.

A verdade é que, por trás da tentativa de legalizar o aborto, existe uma “indústria da morte” com interesses econômicos, geopolíticos e culturais.

Interesses econômicos

“Os países do Hemisfério Norte entenderam que a crescente taxa de natalidade dos países subdesenvolvidos seria uma ameaça ao seu domínio imperialista. Com isso tentaram – e ainda tentam – impor aos países mais pobres políticas de esterilização, contracepção, eutanásia e aborto”, denunciou padre Carlos Lodi, líder do Movimento Pró-Vida de Anápolis (GO).

No Brasil, no entanto, essa política não tem dado muito certo. Apesar do forte apelo da mídia e de ONGs feministas que tentam convencer a população com mentiras e falácias pró-aborto, diversas pesquisas revelam que a maioria da população brasileira (mais de 80%), ainda é contra o aborto.

Mas se o povo brasileiro é contra o aborto, por que leis ainda tramitam no Congresso para fazer dessa iniciativa um ‘direito humano’ legalizado e financiado com dinheiro público?

Além das fronteiras

Para Hermes Rodrigues, professor e jornalista, existem organismos internacionais que promovem essa prática [aborto] no Brasil e fazem com que a pauta da legalização deste crime esteja constantemente tramitando no Congresso Nacional para ser legalizado.

“Eles querem fazer do aborto um direito humano e as pessoas não têm alcance de que, por trás disso, está escondida uma tentativa de desconstrução da família e dos valores cristãos do Ocidente”, ressaltou o professor.

Uma tentação ideológica

Por trás de falácias como “direitos reprodutivos da mulher”, “autonomia sobre seu corpo” e números superfaturados de mortes decorrentes de abortos clandestinos (para justificar o aborto como “questão de saúde pública”), muitos outros interesses estão por detrás, no entanto, segundo Padre Lodi, também existe um fator espiritual por trás de tudo isso. “Jesus disse que o pai da mentira veio para roubar, matar e destruir. Matar é o fim, mentir é o meio”, salientou o sacerdote.

“Ele [o demônio], queria matar a Deus, mas ele não pode fazer isso porque Deus é imortal, então ele vai tentar atingir o quê? Vai tentar matar a imagem e semelhança de Deus, que somos nós”, concluiu o sacerdote e líder do Movimento Pró-Vida de Anápolis.

__________________

Confira também

Fiz um aborto, e agora?

Oração mariana para pedir o fim do aborto no mundo

Conheça narrativas reais de quem sofreu com os impactos dramáticos do aborto


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *