Igreja

Papa reza por aqueles que têm dificuldades econômicas devido ao coronavírus

comshalom

Na Missa ao vivo em streaming da Capela da Casa Santa Marta, esta segunda-feira (23/03), as primeiras palavras de Francisco foram palavras de confiança.

São as palavras da Antífona de entrada de hoje: “Confio em vós, ó Deus! Alegro-me e exulto em vosso amor, pois olhastes, Senhor, minha miséria” (Sl 30,7-8).

O Papa pediu hoje por aqueles que estão sofrendo com a crise econômica causada pela pandemia do coronavírus, que paralisou muitas atividades de trabalho.

Rezemos hoje pelas pessoas que por causa da pandemia estão começando a ter problemas econômicos, porque não podem trabalhar e tudo isso recai sobre a família. Rezemos pelas pessoas que têm esse problema”, pediu o Papa.

A insistência de quem crê

Na homilia, comentando o Evangelho de João (Jo 4,43-54) sobre a cura do filho do funcionário do rei, Francisco convidou a rezar com fé, perseverança e coragem, sobretudo neste período.

“Este pai pede a saúde para o filho. O Senhor repreende todos um pouco, também ele: “Se não virdes sinais e prodígios, não acreditais”. O funcionário, ao invés de se calar e ficar quieto, insiste e lhe diz: “Senhor, desce, antes que meu filho morra!” E Jesus lhe responde: “Podes ir, teu filho está vivo.”

A oração autêntica

Segundo o Papa, três coisas são necessárias para se fazer uma verdadeira oração.

A primeira é a fé. Muitas vezes, a oração é somente oral, da boca – afirma Francisco – mas não vem da fé, do coração, ou vem de uma fé fraca.

“Pensemos em outro pai, o do filho endemoninhado, quando Jesus responde: “Tudo é possível àquele que crê”; o pai como disse claramente “creio, mas aumenta a minha fé”; essa é a fé na oração. Rezar com fé, quer quando rezamos fora, quer quando vimos aqui e o Senhor está ali: mas tenho fé ou é um costume? Estejamos atentos na oração: não cair no costume sem a consciência de que o Senhor está presente, que estou falando com o Senhor e que Ele é capaz de resolver o problema. A primeira condição para uma verdadeira oração é a fé.” (Papa Francisco)

Não desistir de rezar mesmo em meio às tribulações

O Papa afirma que a segunda condição que o próprio Jesus nos ensina é a perseverança.

Ele ressaltou que alguns pedem, mas a graça não vem porque eles não têm essa perseverança, no fundo julgar não precisar dela, ou não têm fé.

Francisco lembrou que Jesus mesmo nos ensina a parábola daquele senhor que vai até o vizinho pedir pão à meia-noite: isso é a perseverança de bater à porta.

Ele também recordou a viúva, com o juiz iníquo, que insiste e insiste e insiste: isso é a perseverança.

A generosidade de Deus diante da paciência do homem que pede

O Papa comentou que fé e perseverança caminham juntas, porque se você tem fé você tem certeza de que o Senhor lhe dará aquilo que pede.

“Se o Senhor faz você esperar, bater, bater, no final o Senhor concede a graça.” (Papa Francisco)

Francisco afirma ainda que o Senhor não faz isso para tornar-se interessante ou porque diz “melhor que espere”: não. Ele o faz para o nosso bem, para que levemos a coisa a sério.

Levar a oração a sério com coragem

Levar a oração a sério, lembra o Papa, não é fazer como os papagaios: blá blá blá e nada mais. O próprio Jesus nos repreende: “Não sede como pagãos que creem na eficácia da oração e nas palavras, muitas palavras”.

O Pontífice concluiu ressaltando que a terceira coisa que Deus quer na oração é a coragem.

Nesse sentido, ele afirma que alguém pode pensar: é preciso coragem para rezar e para se colocar diante do Senhor? Sim.

“A coragem de ficar ali pedindo e seguindo adiante, aliás, quase – quase, não quero dizer uma heresia –, mas quase como ameaçando o Senhor. A coragem de Moisés diante de Deus quando queria destruir o povo e fazê-lo líder de outro povo. Diz: “Não. Eu com o povo”. Coragem. A coragem de Abraão, quando negocia salvação de Sodoma: “E se fossem 30, e se fossem 25, e se fossem 20…”: ali, a coragem. Essa virtude da coragem, é muito necessária. Não somente para as ações apostólicas, mas também para a oração.” (Papa Francisco)

É tempo de rezar mais: Deus não decepciona

Fé, perseverança e coragem.

Nestes dias em que é necessário rezar, rezar mais, pensemos se nós rezamos assim – afirma o Papa -, com fé que o Senhor pode intervir, com perseverança e com coragem, Ele não decepcionará.

Francisco ressaltou que Deus faz-nos esperar, toma o seu tempo, mas não decepciona.

O Papa terminou a Celebração com a adoração e a bênção eucarística, convidando todos à Comunhão Espiritual.

Oração do Papa Francisco

Confira a oração recitada por Francisco no dia de hoje:

“Aos vossos pés, ó meu Jesus, me prostro e vos ofereço o arrependimento do meu coração contrito que mergulha no vosso e na Vossa santa presença. Eu vos adoro no Sacramento do vosso amor, desejo receber-vos na pobre morada que meu coração vos oferece. À espera da felicidade da comunhão sacramental, quero possuir-vos em Espírito. Vinde a mim, ó meu Jesus, que eu venha a vós. Que o vosso amor possa inflamar todo o meu ser, para a vida e para a morte. Creio em vós, espero em vós. Eu vos amo. Assim seja.”

Confira também

Igreja concede indulgência plenária a fiéis afetados pelo Covid-19

Papa recorda como receber o perdão sem o sacerdote em tempos de Pandemia

Papa Francisco: Deus ajude as famílias a reencontrar verdadeiros afetos neste tempo difícil


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *