Formação

Para encontrar-se

O encontro de quem realmente sou, isto é, de quem Deus me criou para ser, só se dá quando saio de mim e me perco no amor ao outro, na doação de minha vida a ele.

comshalom

Acabo de receber um cartão com uma das frases inesquecíveis de São João Paulo II: “a mulher se realiza à medida em que ama”. Imediatamente a memória me remete à afirmação de Amedeo Cencini sobre o autoconhecimento, a autorrealização ou o “encontrar-se”: “Fundamentalmente, conforme nos diz a Psicologia, o homem não se encontrará nunca, procurando-se demasiadamente, assim como não conseguirá jamais satisfazer sua necessidade de estima, fazendo dela a finalidade imediata de seu agir” (CENCINI, Amedeo. In: Tecendo o Fio de Ouro).

O papa e o psicólogo, na realidade, nada mais fazem que ecoar o Evangelho: “quem quiser ganhar a própria vida, perdê-la-á, mas quem quiser perder a vida por amor a mim a encontrará”.

A regra evangélica infalível é “perder-se para se encontrar”. O encontro de quem realmente sou, isto é, de quem Deus me criou para ser, só se dá quando saio de mim e me perco no amor ao outro, na doação de minha vida a ele.

Percebo que mesmo os que creem piamente nessa máxima evangélica têm dificuldade em saber como praticá-la. A verdade expressa pela Palavra acende seu desejo. Sua compreensão, porém, é tênue demais para realizá-lo.

Como, concretamente, perder-se, no sentido evangélico da expressão? Há algumas regrinhas básicas:

  1. No sentido evangélico, a gente se perde no dia a dia, não necessariamente em atos heroicos ou extraordinários;
  2. A gente se perde doando-se a Deus na vocação batismal e na Palavra, consciente de que dar-se a Deus é acolher com simplicidade, confiança e abandono o seu amor por nós e pelos homens.
  3. A gente se perde quando pensa mais nos outros do que em nós, quando coloca os outros sempre em primeiro lugar.
  4. A gente se perde quando desiste definitivamente de se preocupar mais consigo do que com os outros, mais com as necessidades e dores da gente do que com as deles. Aliás, quando a gente faz isso, as preocupações egoístas e centralizadoras até desaparecem.

A necessidade de perder-se é crucial para encontrar o Senhor e, nele, a vida eterna. Isso vale para todos, sem importar idade, sexo ou cultura. Contudo, para a mulher, cuja missão é “humanizar o homem” e cuja vocação é a maternidade, não importando o estado de vida, o doar-se, o perder-se, é questão de identidade, de essência. É vital.

Para o homem e para a mulher, não perder-se é não encontrar-se. Para ela, porém, é mais que isso: é também não cumprir a vontade específica de Deus a seu respeito. É não cumprir-se, não deixar-se cumprir.

Maria Emmir Oquendo Nogueira
Entrelinhas
– Revista Shalom Man
á  – dezembro de 2011

 


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *