Formação

Série Santas Virgens Mártires: Santa Águeda

Veja neste quarto capítulo a história da jovem dotada de uma inteligência invejável, além de uma beleza que encantava a todos. Era muito religiosa, nutria um amor por Jesus e a Ele consagrou sua vida de todo o coração, desejando por Ele renunciar os amores terrenos.

comshalom

A história de hoje começa no século III, por volta do ano 235, data provável do nascimento de Águeda ou Ágata, como também é conhecida esta santa. De origem grega, seu nome significa “bondade”.

O local do seu nascimento é impreciso, pois há uma disputa entre duas cidades da região da Sicília, que fica no sul da Itália: Palermo e Catânia. O que se sabe ao certo é que tratava-se de uma jovem muito bela, de família abastada e que logo demonstrou um forte desejo de se consagrar inteiramente a Deus, ato que foi realizado pelo Bispo local, que impôs-lhe um véu vermelho chamado flammeum, que era um distintivo das virgens consagradas da época.

Segundo a tradição, Águeda tornou-se uma diaconisa, ou seja, uma servidora da comunidade cristã primitiva. O serviço, sem dúvida, é um forte sinal que os castos portam, afinal, a vivência sincera da castidade não está direcionada para si mesmo, mas integra cada indivíduo para uma liberdade plena, que gera a doação integral a Deus e aos outros. Desse modo, o casto sempre deseja servir e, em tudo que faz, é livre e inteiro.

Quando Águeda chegou aos quinze anos, por volta do ano 250, um edito do imperador Décio ordenou uma severa perseguição aos cristãos. Na cidade de Catânia, onde a jovem residia, a caçada contra os fiéis deu-se por intermédio do procônsul Quinciano, conhecido por sua crueldade e também pelo desejo que tinha de possuir Águeda, pois admirava sua beleza.

Desse modo, para evitar os maus-tratos, a jovem diaconisa tentou fugir para Palermo, mas foi reconduzida pelo exército romano à Catânia para uma audiência com Quinciano. O procônsul desejava persuadi-la a abandonar o seguimento de Cristo e o voto de virgindade, entretanto, diante da recusa de Águeda à apostasia, ele ordenou que fosse levada a uma casa de prostituição e entregue a uma mulher chamada Afrodísia, a fim de corrompê-la.  Entretanto, mais uma vez a jovem resistiu às investidas contra sua pureza e foi conduzida novamente a Quinciano, que submeteu-a a um processo, sob a acusação de professar a fé cristã, prática que havia sido proibida pelo edito do imperador.

Em seu martirológio, constam as atas desse processo, inclusive o diálogo que travou com o pro cônsul, do qual transcrevemos o trecho a seguir:

ー Sendo realmente livre e nobre, por que quisestes ser escrava?
ー A máxima liberdade e nobreza consistem em demonstrar ser serva de Cristo.
ー Se for assim, nós que desprezamos servir a Cristo e veneramos os deuses não temos liberdade?
ー A vossa liberdade vos arrasta para a escravidão, que não só vos torna escravos do pecado, mas também vos submete à madeira e às pedras.

Insatisfeito com as respostas de Águeda, Quinciano quis obrigá-la mais uma vez a renunciar à sua fé, mas a jovem continuou a resistir, por isso, ordenou que a torturassem com terríveis suplícios, descritos também nas atas de seu martírio: “esbofetearam-na, alçaram-na no cavalete, distenderam-lhe os membros e amputaram-lhe os seios”. Há relatos de que São Pedro apareceu para Águeda enquanto estava no cárcere, curando suas chagas.

Levada novamente ao pro cônsul, mais uma vez a jovem manteve-se fiel a Cristo, então, Quinciano ordenou que a colocassem, vestida apenas com seu véu vermelho, sobre carvões em brasa. Enquanto o calor ardente consumia seu corpo, um grande terremoto ocorreu na cidade de Catânia e os moradores acorreram ao pro cônsul, suplicando pelo fim do seu martírio, pois atribuíram a calamidade que se abatia sobre o lugar às crueldades realizadas contra a moça.

Águeda foi retirada das brasas e levada para a prisão, com seu véu ainda intacto. No cárcere, rezou desse modo: “Senhor, que me criastes e me protegestes, desde a minha infância; na minha juventude, me fizestes agir com coragem; que me libertastes dos prazeres mundanos; que preservastes meu corpo da contaminação; que me fizestes vencer os tormentos do algoz, dos ferros, do fogo e das correntes; que me destes, entre os tormentos, a virtude da paciência, vos peço, agora, acolher o meu espírito, por que já é hora que eu deixe este mundo, segundo a vossa vontade, para gozar da vossa misericórdia”.

No dia 5 de fevereiro de 251, Águeda não pôde mais resistir aos graves ferimentos e expirou. Um ano depois, houve uma grande erupção do vulcão Etna, que ameaçava destruir com um rio de fogo toda a Catânia. Os fiéis, todavia, acorreram ao túmulo de Águeda e suplicaram a Deus pelo fim daquela catástrofe. Alguns tomaram o véu da jovem e colocaram-no diante das lavas que avançavam rumo à cidade e estas, milagrosamente, pararam de escorrer. Tal fato fez com que o culto à jovem siciliana fosse difundido rapidamente por toda a Itália.

Em seu martirológio, consta ainda o seguinte: “Pelo poder do Espírito Santo, triunfou sobre uma perseguição que havia provocado muitas apostasias ao seu redor”. De fato, uma das lições que Santa Águeda nos deixou foi o vigor com o qual perseverou na fé e no seguimento incondicional a Jesus Cristo, obviamente não somente com suas forças, mas interamente devotada à ação divina e à condução do Espírito Santo.

Quem, além deste Espírito, poderia ter inspirado uma jovem de quinze anos a uma consagração total de vida ao Senhor? Quem mais a faria permanecer firme em suas convicções diante de um processo judicial promovido por um representante do Império Romano? Ou quem a teria ajudado a suportar tamanhas torturas e humilhações? Como nos ensina o Catecismo: “A castidade é uma virtude moral. Mas é também um dom de Deus, uma graça, um fruto do trabalho espiritual. O Espírito Santo concede a graça de imitar a pureza de Cristo àquele que regenerou pela água do Batismo” (§2345).

Como nos tempos de Santa Águeda, cada cristão também pode suplicar a renovação do dom da castidade ao Espírito Santo hoje, pois tal graça nos foi concedida através do Batismo e precisa ser reforçada por meio da vida sacramental e da oração. Em cada época da história humana, o Senhor tem derramado graças específicas para o seguimento de Seu Filho, portanto, Ele não abandona os que pedem, com sinceridade, o Seu auxílio.

Através da intercessão de Santa Águeda, que o Senhor nos ensine a amá-lo de todo coração, acreditando realmente que a máxima liberdade e nobreza encontram-se no seguimento de Jesus Cristo casto, pobre e obediente, Aquele que “aniquilou-se a si mesmo, assumindo a condição de escravo” (Fl 2,7), por amor aos homens e no anseio de redimir-nos de todo o mal.

Santa Águeda de Catânia, rogai por nós!

Continue lendo:

Santas virgens mártires: pureza e coragem na busca pela santidade

Santa Cecília

Santa Inês


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *