Formação

A virtude da bondade como remédio para combater a inveja

Nós somos chamados a ser bons uns com os outros, como São Paulo nos exorta: “sede bondosos e compassivos uns com os outros, perdoando uns aos outros como Cristo vos perdoou” (Ef 4, 32).

Foto | Unsplash

A bondade é uma característica do amor, como ensina São Paulo “A caridade é bondosa” (1 Cor 13, 6). Está vinculada à retidão, generosidade, benevolência, benignidade. A principal expressão desta virtude reside no desejo pelo bem do outro.

A qualidade de ser ‘bom’ pertence primeiramente a Deus, que é O Bom, o Sumo Bem. Por isso, o salmista canta: “Hei de louvar o vosso nome pela vossa bondade e fidelidade” (Sl 138, 2).

______________

O Catecismo da Igreja Católica (CIC) ensina que a manifestação da bondade de Deus é elemento essencial da revelação divina, e que é o próprio Deus quem deseja se mostrar assim: “Deus, «Aquele que É», revelou-Se a Israel como Aquele que é «cheio de misericórdia e fidelidade» (Ex 34, 6). Estas duas palavras exprimem, de modo sintético, as riquezas do nome divino. Em todas as suas obras, Deus mostra a sua benevolência, a sua bondade, a sua graça, o seu amor” (CIC 214).

Para contemplar esta bondade divina, basta reconhecer a nossa própria existência. Nós fomos criados pela bondade de Deus.

Afirma o Catecismo que “para criar, Deus não tem outra razão senão o seu amor e a sua bondade”, e que o faz: “Na sua bondade e pela sua força omnipotente, não para aumentar a sua felicidade nem para adquirir a sua perfeição, mas para a manifestar pelos bens que concede às suas criaturas” (CIC 293).

Deus nos criou para ser felizes, pois, só podemos ser felizes se existimos. Ali se esconde a bondade do Senhor que quer o bem dos seus filhos.

Nós somos chamados a ser bons uns com os outros, como São Paulo nos exorta: “sede bondosos e compassivos uns com os outros, perdoando uns aos outros como Cristo vos perdoou” (Ef 4, 32).

______________

5 dicas para crescer na bondade

1- Oração: o primeiro passo para crescer na bondade é a oração. Nela temos a oportunidade para reconhecer a bondade de Deus na nossa vida, nos alegrar pelos seus feitos e louvá-lo, nos enchendo de gratidão por quem Ele é e por aquilo que Ele realiza (que é sempre bom!).

2- Reconhecer as virtudes do outro: cheios de alegria pela bondade de Deus, que nos dá tudo que é bom (cf. MT 7,11), precisamos reconhecer que Deus também dá dons e virtudes aos nossos irmãos, inclusive àqueles que nos parecem não ser merecedores. Ora, o Senhor que faz nascer o sol sobre justos e injustos (cf. Mt 5, 45), não cumularia também de dons e bens aos nossos irmãos?

Tomemos um momento para reconhecer estes dons e virtudes e nos alegrar por eles. Trata-se de um dom de Deus, de modo que é justo nos alegrar por eles.

Quando seja difícil reconhecer estes bens, lembremos que isso não é porque o nosso irmão não os possua (isso seria negar o amor de Deus que é benigno para com todos!), mas porque investimos tanto tempo exaltando as fraquezas e pecados que nos é difícil olhar para as virtudes. Se este for o caso, façamos um exame de consciência, e nos arrependamos do mal que desejamos ao outro e corramos para a confissão, pois é grande mal para a nossa alma e a do outro.

3- Participar da alegria do outro: reconhecendo a bondade de Deus na vida do irmão, não nos será difícil nos alegrar com ele pelas suas realizações, sucessos, dons e virtudes. Quando for o caso, nos aproximemos e demos os parabéns, reconheçamos as boas obras e atos virtuosos, assim como o crescimento da pessoa. É bom verbalizar o reconhecimento e alegria por estes dons divinos na vida do irmão. Inclusive ajudará ele a reconhecer aquilo que Deus está realizando na vida dele. Que este diálogo cheio de caridade e que a alegria seja genuína, assim como também que seja verdadeiro. Caso contrário, estaríamos em presença de outro pecado: hipocrisia!

4- Pedir ajuda ao outro: como parte do reconhecimento das virtudes do irmão, podemos, se assim a ocasião permitir, recorrer a este irmão e pedir-lhe ajuda, de modo que ele veja que o consideramos e que reconhecemos efetivamente os seus dons e virtudes. Por exemplo: pedir um conselho, uma opinião, assim como um serviço no qual os seus dons possam ser postos a serviço. 

5- Bendizer o outro: como grande passo para vencer a inveja e crescer na bondade para com o irmão, é louvável falar bem do irmão para com os outros. Com sinceridade e honestidade, faz bem exaltar a virtude do irmão quando assim a ocasião sugerir, seja na sua presença ou não. Lembremos das suas palavras: “Se amarem só aqueles que vos amam, que recompensa receberão? Até os publicanos fazem isso!” (Mt 5,46)

______________

Que o Senhor nos dê a graça de sermos cada vez mais como Ele. Shalom.

Confira os conteúdos anteriores da Série Vícios e Virtudes

Vícios: saiba o que são e como combatê-los

O vírus do orgulho: como reconhecê-lo em nós

O remédio para o vírus do orgulho é a virtude da humildade

O vírus da avareza e a busca desenfreada pelas coisas deste mundo

5 possíveis sintomas da avareza em nós

A virtude da generosidade como remédio para a avareza

O vírus da luxúria e os deleites de uma carne insaciável

Confira os possíveis sinais de alerta da Luxúria em você

Série vícios e virtudes: O vírus da ira e os seus efeitos negativos em nós

A virtude da paciência como remédio para combater o vírus da ira

O vício da gula e o prazer desordenado na alimentação

Série vícios e virtudes: 5 sinais de alerta da possível gula em nós

A virtude da temperança como remédio para curar o vício da gula

O vício da preguiça e o pecado do não cumprimento do dever

Série vícios e virtudes: Sinais de alerta de possível preguiça em nós

A virtude da diligência como remédio para a preguiça

O vício da inveja e a tristeza pelo bem alheio

Os 3 sinais de alerta do vício da inveja em nós


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *