Formação

O vírus da luxúria e os deleites de uma carne insaciável

Quando as paixões da carne dominam todo o ser.

O vírus da luxúria e os deleites de uma carne insaciável

Você tem acompanhado aqui no comshalom.org a Série Vícios e Virtudes. Hoje vamos falar de um vício, chamado de impureza, mas conhecido também como luxúria.

O prazer infértil da luxúria

A luxúria é o amor desordenado aos deleites da carne proibidos pelo 6º e 9º mandamentos. Dos vícios, é o mais imperioso e dele surgem lamentáveis consequências.

O Catecismo ensina:

“A luxúria é um desejo desordenado ou um gozo desregrado de prazer venéreo. O prazer sexual é moralmente desordenado quando procurado por si mesmo, isolado das finalidades da procriação e da união” (CIC 2351).

Uma ponte para outros males

Da impureza nascem inúmeros pecados como egoísmo, ciúme, ódio, adultérios. O próprio Jesus adverte a respeito das graves males que nascem da impureza:

“não é aquilo que entra no homem que o torna impuro, mas aquilo que sai dele. Porque do coração procedem os maus pensamentos, mortes, adultérios, fornicação, furtos, falsos testemunhos e blasfêmias” (Mt 15,11.19).

Luxúria em atos

Existem diversas formas de atos luxuriosos. Hoje trazemos aqui apenas três, a masturbação, a fornicação e a pornografia. A respeito dos três, trazemos um trecho do Catecismo:

1- Masturbação: Esta tornou-se, de alguns anos para cá, algo tido como ‘comum’, tanto em homens quanto mulheres, principalmente os jovens.

É ensinado, inclusive, nas escolas como um direito das pessoas e é incentivado, a fim de que o aluno ‘conheça’ e ‘desfrute’ do seu próprio corpo. Mas é tudo mentira.

A masturbação é um dos atos mais egoístas e tristes que existem, uma vez que o homem torna-se o início, o meio e o fim do seu próprio prazer; opondo-se ao feliz desígnio divino em que o prazer sexual, pensado e querido por Deus, foi feito para ser desfrutado pelos cônjuges, na celebração do amor e comunhão que é o ato conjugal.

Ensina o Catecismo:

“Por masturbação entende-se a excitação voluntária dos órgão genitais, para daí retirar um prazer venéreo. Na linha duma tradição constante, tanto o Magistério da Igreja como o sentido moral dos fiéis têm afirmado sem hesitação que a masturbação é um ato intrínseca e gravemente desordenado. Seja qual for o motivo, o uso deliberado da faculdade sexual fora das normais relações conjugais contradiz a finalidade da mesma. O prazer sexual é ali procurado fora da relação sexual requerida pela ordem moral, que é aquela que realiza, no contexto dum amor verdadeiro, o sentido integral da doação mútua e da procriação humana” (CIC 2352).

O ato masturbatório não tem nada de natural, pois a natureza humana não foi criada para viver para si, mas para dar-se ao outro.

Não porque exista a possibilidade de obter prazer manipulando o próprio corpo, significa que ele foi feito para isso (ex: não porque tenha mãos e força para matar, significa que é bom matar).

Mas porque quando se torna vício, a masturbação causa consequências terríveis, a nível espiritual, psicológico e, inclusive, a nível biológico, como ejaculação precoce e disfunção erétil.

2- Fornicação: o ato sexual antes do matrimônio é tido por muitos como algo ‘inevitável’ dentro de um relacionamento de namoro; para outros é tido como necessário para ‘conhecer bem’ a pessoa antes de casar; para outros é apenas o ‘ato natural’ do amor, para o qual não há necessidade de um contrato; para outros é apenas um momento de prazer que se obtém numa festa sábado à noite, seja com alguém conhecido ou não, a fim de contas ‘cada um sabe o que faz com o seu corpo’.

Com efeito, muitos vivem a fornicação como algo ‘normal’.

A maior defesa da fornicação vem em forma de ataque contra a instituição matrimonial. É apresentada como desnecessária ou antiquada.

Contudo, vejam bem que em todas as defesas da fornicação, o ser humano é comparado com animais, argumentando que, se os animais mantém relação sexual de forma indiscriminada, porque o ser humano deveria ser diferente?

A fornicação consiste, no entanto, em diminuir a dignidade sexual humana à pura matéria e a união sexual corpórea a um mero uso dos genitais em vista do prazer. Triste mentira!

A união sexual é santa, pois foi Deus que a instituiu. Devido a esta sacralidade, Deus não quis que os homens se relacionassem como animais conduzidos por instintos, mas instituiu a união matrimonial, na qual o ato conjugal pode ser vivido com união de comunhão e amor. Intimidade, entrega mútua, profundidade, fidelidade, cumplicidade, alegria, verdadeira paixão, são alguns dos fatores que só são vividos na relação sexual dentro do matrimônio, e que a fornicação não pode alcançar, um vez que esta se trata apenas de prazer momentâneo, inconstância e insegurança.

Sobre isso, ensina o Catecismo:

“A fornicação é a união carnal fora do matrimônio entre um homem e uma mulher livres. É gravemente contrária à dignidade das pessoas e da sexualidade humana, naturalmente ordenada para o bem dos esposos, assim como para a geração e educação dos filhos. Além disso, é um escândalo grave, quando há corrupção dos jovens.” (CIC 2353)

3- Pornografia: a pornografia é um dos maiores mercados que existe e a internet tem facilitado muito a sua difusão.

O estímulo do desejo sexual é a reação natural do corpo humano perante as imagens que o despertam. Lembremos que os sentidos são a porta do corpo (cf. Mt 6,22).

Isto não é pecaminoso em si quando se pensa na nudez dos esposos cristãos, que estimulam o desejo mútuo que os impele à união conjugal. A pecaminosidade da luxúria está na malícia e na utilização do outro para o deleite próprio.

Ela gera grandes pecados, como a violação, a fornicação e o adultério, como vemos na Sagrada Escritura, quando os dois anciãos vem Susana tomando banho e a desejam (cf. Dn 13) ou quando Davi vê a mulher de Urias na mesma situação (cf. 2 Sm 11).

Quando não se chega a cometer estes atos externamente, ao assistir voluntariamente a intimidade de outra pessoa, são cometidos internamente, o que constitui um grave pecado contra Deus e contra a pessoa que está sendo observada.

Jesus diz que todo aquele que olhar para uma mulher para a cobiçar, já em seu coração cometeu adultério com ela (cf. Mt 5,28).

A pornografia destrói a dignidade de quem olha, porém, principalmente, de quem está do outro lado da câmera. Mesmo que as pessoas que assistem não estejam tocando o seu corpo, de alguma forma, usufruem dele, constituindo um verdadeiro ato de prostituição.

Ao ver a intimidade do outro, de alguma forma e em certo nível, pelo menos uma parte desse outro passa a me pertencer, e fica fragmentado. Imaginemos por um segundo a fragmentação da alma de uma pessoa cujo corpo é visto nu por milhares na internet.

Ainda verificam-se extremos, nos quais verdadeiras aberrações e depravações são procuradas por muitos que não são mais atraídos por imagens de sexo ‘convencionais’. Não é raro encontrar sites oferecendo imagens de sexo com animais, com coisas e até com fezes.

Assistir pornografia nada tem de inofensivo. Destrói a alma e contribui com a escravidão de muitos e muitos jovens.
Ensina o Catecismo: “A pornografia consiste em retirar os atos sexuais, reais ou simulados, da intimidade dos parceiros, para os exibir a terceiras pessoas, de modo deliberado.”

Ofende a castidade, porque desnatura o ato conjugal, doação íntima dos esposos um ao outro. É um grave atentado contra a dignidade das pessoas intervenientes (atores, comerciantes, público), uma vez que cada um se torna para o outro objeto dum prazer vulgar e dum lucro ilícito. Faz mergulhar uns e outros na ilusão dum mundo fictício. É pecado grave.

“As autoridades civis devem impedir a produção e a distribuição de material pornográfico.” (CIC 2354)

Para que deixemos o vício da luxuria, peçamos a Deus a graça da pureza em nossos corações. Eis o tempo favorável para a conversão.

Confira os conteúdos anteriores da Série Vícios e Virtudes

DIA 1 | Vícios: saiba o que são e como combatê-los

DIA 2 | O vírus do orgulho: como reconhecê-lo em nós

DIA 3 | O remédio para o vírus do orgulho é a virtude da humildade

DIA 4 | O vírus da avareza e a busca desenfreada pelas coisas deste mundo

DIA 5 | 5 possíveis sintomas da avareza em nós

DIA 6 | A virtude da generosidade como remédio para a avareza

7 pecados capitais no mundo do trabalho


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *