Formação

A Castidade como remédio para combater o vírus da Luxúria

É tempo de ser inteiro para Deus e para os outros. Você topa esse desafio?

comshalom

Você tem acompanhado aqui no comshalom.org a Série Vícios e Virtudes. Ontem falamos sobre os sinais da presença do vício chamado de impureza, mas conhecido também como luxúria. Hoje falaremos sobre a virtude da Castidade, remédio para combater a Luxúria em nós.

Mas afinal, o que é a castidade?

A castidade é, junto com a pobreza e a obediência, um conselho evangélico. O próprio Cristo guardou a sua castidade por amor aos homens.

O homem casto é aquele que tem o coração indiviso, ou seja, que não está fragmentado pelo pecado. Com o coração inteiro, o põe completamente em Deus, e nele, e partir dele, vive toda a sua vida de relação com os outros.

Ele ama com o amor de Deus. Ordena tudo a partir do amor de Deus: a sua afetividade, a sua sexualidade, a sua vida espiritual, tudo.

Remédio contra luxúria: O outro

A castidade se dá nas relações: com Deus, com os outros e consigo mesmo. É amor desinteressado. De modo que, o homem casto se relaciona desinteressadamente com Deus, com o outro e consigo mesmo.

Nos referimos brevemente à castidade no livro “Virtudes: caminho de imitação de Cristo”, no qual afirmamos:

“A castidade unifica novamente, cura a divisão interior gerada pelo pecado.” (Virtudes: caminho de imitação de Cristo, cap. 7).

A castidade pode ser vivida na continência, no caso dos solteiros e dos celibatários, e na relação conjugal, no caso dos casados.

A sexualidade plena

Com ensina o Catecismo, “a sexualidade ordena-se para o amor conjugal do homem e da mulher. No matrimônio, a intimidade corporal dos esposos torna-se sinal e penhor de comunhão espiritual. Entre os baptizados, os laços do matrimônio são santificados pelo sacramento” (CIC 2360).

Dentro da relação conjugal, o prazer não é banido, antes é bem recebido como fruto da união de amor:

“Os atos pelos quais os esposos se unem íntima e castamente são honestos e dignos; realizados de modo autenticamente humano, exprimem e alimentam a mútua entrega pela qual se enriquecem um ao outro com alegria e gratidão. A sexualidade é fonte de alegria e de prazer: foi o próprio Criador Quem estabeleceu que, nesta função da geração, os esposos experimentassem prazer e satisfação do corpo e do espírito. Portanto, os esposos não fazem nada de mal ao procurar este prazer e gozar dele. Aceitam o que o Criador lhes destinou. No entanto, devem saber manter-se dentro dos limites duma justa moderação.” (CIC 2362)

Dicas para crescer na Virtude da Castidade

1- Oração: Santo Agostinho é claro nas suas Confissões quando diz que só é possível viver a castidade por graça divina. A oração é esse lugar no qual nos deixamos transformar pela graça, de modo que, só com uma vida de oração é possível viver a castidade.

2- Fuga das ocasiões de pecado: aqui não estamos falando que deva ser assumida uma postura de medo, mas de prudência. No livro “Virtudes: caminho de imitação de Cristo” dedicamos um capítulo inteiro à reflexão sobre a prudência. Fugir das ocasiões de pecado exige estar atento à realidade objetiva, analisar se dita situação irá colaborar com a minha vivência da castidade e, caso a resposta for negativa, renunciar. Nada que ameace esta virtude pode ser bom, de modo que nada pode ser tão bem que faça valer a pena perder ter o coração indiviso e unido a Deus.

3- Mortificação: as pequenas renúncias educam a nossa vontade, a fim de poder submeter os nossos instintos e paixões à razão. Vale a pena fazer pequenos sacrifícios com frequência. Trata-se de contradizer a nossa vontade a fim de fortalecê-la, para que assim, quando estejamos perante a possibilidade de pecar, sejamos fortes o suficientes (com a graça de Deus) como para dizer não ao pecado.

4- Aprofundamento das convicções profundas a respeito dos valores cristãos: é salutar renovar constantemente a nossa opção pela vivência do Evangelho, através de boas leituras, a vida sacramental, formação humana e espiritual, retiros, etc. A nossa memória é fraca, por isso, é importante manter sempre vivas as convicções a respeito dos nossos valores morais, a fim de que nos momentos de tentação, não esqueçamos porque escolhemos o que escolhemos. Ora, isto não se trata de ‘lembrar a regra’, se trata de renovar a experiência e aprofundar o conhecimento de Jesus, o motivo pelo qual dizemos sim à vivência da castidade.

5- Fazer opções radicais pela vivência da castidade: tem momentos na vida em que somos colocados entre duas opções contrárias. Quando se trata dos valores do Evangelho, não devemos hesitar em escolher sempre a vontade de Deus. Se há lugares que nos deixam propensos a pecar contra a castidade, é bom deixar de frequentá-los; se há relacionamentos que nos fazem cair, então, é melhor distanciar-se; se há momentos que nos levam ao pecado, devemos evitá-los. O pecado é uma escolha de ruptura com Deus, e cada vez que pecamos fazemos uma escolha radical neste sentido. Talvez seja o momento de fazer escolhas igualmente radicais para o bem, por Deus, pela castidade.

Que o Senhor nos dê a graça de que sermos cada vez mais como Ele, Cordeiro puro e sem mancha.

Confira os conteúdos anteriores da Série Vícios e Virtudes

DIA 1 | Vícios: saiba o que são e como combatê-los

DIA 2 | O vírus do orgulho: como reconhecê-lo em nós

DIA 3 | O remédio para o vírus do orgulho é a virtude da humildade

DIA 4 | O vírus da avareza e a busca desenfreada pelas coisas deste mundo

DIA 5 | 5 possíveis sintomas da avareza em nós

DIA 6 | A virtude da generosidade como remédio para a avareza

DIA 7 | O vírus da luxúria e os deleites de uma carne insaciável

DIA 8 | Confira os possíveis sinais de alerta da Luxúria em você

7 pecados capitais aplicados ao mundo do trabalho


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *